Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Investigadores europeus criam biocombustível a partir de palha

Investigadores europeus criam biocombustível a partir de palha
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Cientistas europeus estão a tentar produzir biobutanol a partir de palha. Os biocombustíveis produzidos a partir da beterraba ou do milho têm a desvantagem de desperdiçar plantas que poderiam ser usadas para a alimentação humana.

O projeto Butanext junta investigadores de dois países europeus. Uma parte da investigação decorre em Espanha. A engenheira química espanhola Inés del Campo enumerou as vantagens do butanol.

"O uso de butanol como biocombustível tem vantagens porque é um alcóol mais pesado e menos volátil. O que permite reduzir os problemas das emissões, de volatilidade que podem ocorrer nas estações de serviço ou industriais", afirmou a investigadora espanhola do Centro Nacional das Energias Renováveis, em Espanha.

Do ponto de vista mecânico, químico e molecular, a transformação da matéria-prima em butanol é um processo complexo. Os cientistas têm de testar centenas de variações possíveis para chegar à melhor solução.

"Moemos a palha para obter pequenas partículas. Depois aquecemo-las a 175°C durante cinco minutos com um pouco de ácido. Isto gera um substrato que é ótimo para as enzimas, para reduzir essas longas cadeias químicas em moléculas chamadas monómeros. Depois adicionamos micro-organismos que se alimentam dessas moléculas e transformam-nas em butanol de forma ótima", explicou a bióloga espanhola Irantzu Alegría.

Uma parte da investigação decorre no Reino Unido onde os cientistas desenvolvem a bactéria usada no processo de transformação da palha em combustível.

"O maior desafio foi trabalhar com as matérias-primas fornecidas pelo projeto. Porque essas matérias-primas têm químicos inibidores que podem stressar as bactérias durante a fermentação. Por isso desenvolvemos estirpes de bactérias que toleram melhor esses químicos", explicou a bióloga molecular Holly Smith, do Laboratório britânico Green Biologics.

Tal como no caso dos carros elétricos, o desafio é baixar os custos de produção do butanol para torná-lo atrativo para o consumidor.

"A tecnologia existe. A questão é reduzir os custos de produção. Serão provavelmente precisos cinco a dez anos para iniciar a comercialização e depois é preciso que haja vontade de fazer legislação e isso não acontecerá enquanto não houver uma pressão comercial", afirmou Edward Timothy Davies, engenheiro bioquímico, no Laboratório Green Biologics e coordenador do projeto europeu Butanext.