Última hora

Última hora

Coreias chegam a acordo histórico para a paz

Em leitura:

Coreias chegam a acordo histórico para a paz

Coreias chegam a acordo histórico para a paz
Tamanho do texto Aa Aa

A península coreana viveu um momento histórico: O presidente da Coreia do Sul Moon Jae-in e o líder da Coreia do Norte Kim Jong-un chegaram, durante a cimeira desta sexta-feira numa localidade da fronteira entre os dois países, a um acordo histórico para a desnuclearização completa da península - um volta-face naquilo que tem sido a política de demonstração de força por parte da Coreia do Norte, nos últimos anos.

Os dois líderes abraçaram-se depois da assinatura do documento, uma imagem que ninguém acreditaria, há poucas semanas, que pudesse vir a ver.

Esta cimeira foi a primeira em 11 anos a juntar os líderes dos dois lados da península dividida. O acordo prevê ainda que seja assinado em breve um documento definitivo de paz, que põe fim à guerra da Coreia, que teve lugar nos anos 50 e que resultou na divisão da península, mas que oficialmente ainda continua.

O documento agora assinado diz precisamente que "não voltará a haver guerra na península coreana", embora este não seja ainda um acordo definitivo de paz.

Eis alguns dos pontos do acordo:

- Transformar zona desmilitarizada em "zona de paz"

- Resolver o problema das famílias separadas pela divisão entre as Coreias

- Acabar ações de propaganda (lançamento de panfletos para o outro lado)

- Fim oficial da guerra da Coreia (a ser finalizado num acordo posterior)

- Desnuclearização completa da península

- Visita oficial de Moon Jae-in à Coreia do Norte no Outono, a primeira de um líder sul-coreano ao país vizinho

- Promessa, por parte de Kim Jong-un, de trabalhar com os Estados Unidos

A reação de Donald Trump no Twitter, relembrando o papel da China.

A cimeira foi aplaudida pela China, aliada histórica da Coreia do Norte. A porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros, Hua Chunying, saudou a coragem dos dois líderes e apelidou o encontro de "instante histórico".