Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Sul-coreanos divididos perante visita inédita de Kim Jong-un

Caricaturas e cartazes contra Pyonyang num protesto em Paju
Caricaturas e cartazes contra Pyonyang num protesto em Paju -
Direitos de autor
REUTERS/Kim Hong-ji
Tamanho do texto Aa Aa

Os sul-coreanos dividiram-se esta sexta-feira perante a inédita visita ao país de Kim Jong-un. Uns celebraram a histórica aproximação, outros insurgiram-se contra a presença no território do l~´ier norte-coreano.

Numa estação ferroviria de Seul, muitos assistiram por um ecrã gigante ao aperto de mão entre Moon Jae-in e Kim Jong-un como se fosse a final de um mundial de futebol.

Boa parte dos sul-coreanos têm esperança nesta aproximação, mas há também algum cepticismo em relação à Coreia do Norte.

Lee Sang-jung, tem 70 anos, reside na capital de Seul e disse ter visto a forma como "os dois líderes se encontraram como se a unificação já tivesse acontecido".

"Também me preocupa que a Coreia do Norte nos queira enganar. Espero que o escontro seja um sucesso mas, ao mesmo tempo, estou preocupado", reforçou Lee Sang-jung.

Com a maioria dos sul-coreanos em festa pela histórica reunião, ao mesmo tempo, não muito longe de onde os dois líderes coreanos apertavam as mãos e firmavam um acordo de paz para a região, decorreu um protesto anti-nortecoreano.

As ruas de Paju, encheram-se de críticos do regime da Coreia do Norte. Caricaturas dos dois líderes, cartazes a pedir o bombardeamento imediato do país vizinho e até panfletos com a bandeira norte-coreana em chamas deram expressão ao descontentamento pela aproximação dos dois líderes.

Portugal antecipa fim forma da guerra entre Coreias

O ministro dos Negócios Estrangeiros português afirmou em Bruxelas que "o gelo está quebrado" entre as duas Coreias, mas alertou que os gestos protagonizados pelos dois líderes são apenas o primeiro passo no sentido da paz na península.

"O gelo está quebrado. Nestes processos o primeiro passo é o mais difícil e esse primeiro passo está dado. Portanto, estou otimista", assumiu Augusto Santos Silva.

O chefe da diplomacia portuguesa, que falava à margem da reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO, a decorrer em Bruxelas, sublinhou que "os gestos são muito importantes em política externa e nas relações diplomáticas, mas ainda são gestos".

"Há aqui um ato refundador, que é a possibilidade de ter havido uma reunião face a face dos líderes das duas Coreias, mas agora é preciso avançar no sentido de termos resultados concretos, no sentido da paz e da estabilidade na região", completou.

Santos Silva disse que há vários resultados concretos que podem ser alcançados com esta aproximação e o primeiro será o fim formal da guerra da Coreia.

"Mas mais importante é que haja um espaço para que as conversações necessárias entre a Coreia do Norte e outros países muito importantes, como os Estados Unidos, possam fazer-se em condições produtivas e a breve trecho e que possamos avançar todos no sentido da desnuclearização da península da Coreia", indicou.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português defendeu ainda que é "muito importante" que a comunidade internacional, designadamente através das Nações Unidas, possa acompanhar este processo