Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Juntos contra solução militar externa na Síria

chefes de diplomacia de Irão, Rússia e Turquia reuniram-se em Moscovo
chefes de diplomacia de Irão, Rússia e Turquia reuniram-se em Moscovo -
Direitos de autor
REUTERS/Grigory Dukor
Tamanho do texto Aa Aa

Rússia, Turquia e Irão concordaram este sábado na continuidade em Genebra do processo de paz para a Síria, com Moscovo a acusar oposição apoiada pelos Estados Unidos de estar a prejudicar as negociações.

Conhecido como grupo de Astana, pelo local dos primeiros encontros onde se assumiram como responsáveis por uma solução política para o conflito sírio, o trio revelou-se também determinado em ajudar Bashar al-Assad a limpar o território dos grupos que consideram terroristas.

Nestes grupos perseguidos incluem-se as milícias curdas YPG, que ajudaram a combater o "daesh" no norte da Síria, mas que Ancara considera terroristas pela proximidade ao PKK.

Os três países têm sido intervenientes militares na Síria, sendo Rússia e Irão na qualidade de aliados do regime de Bashar al-Assad, e a Turquia no alegado combate a grupos terroristas no norte da Síria.

Este sábado, os respetivos ministros dos Negócios Estrangeiros reuniram-se para atualizar alguns temas e preparar a nona ronda de conversações em Astana sobre, prevista para meados de maio e focada em política e nos problemas humanitários na Síria.

O trio defende uma solução política no conflito, por oposição a uma ação militar externa já por mais do que uma vez proposta e reprovada no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Após a ronda de conversações deste sábado em Moscovo, antecedida por sessões bilaterais, Rússia, Irão e Turquia defenderam a coordenação com as Nações Unidas no processo negocial para ficar garantida a legitimidade de uma eventual solução política.

O ministro turco dos Negócios Estrangeiros revelou estar de acordo com o homólogo iraniano de que "qualquer solução militar" na Síria "será ilegal e insustentável". "Este é o único formato que tem dado passos concretos rumo à paz", sublinhou Mevlut Cavusoglu.

O chefe da diplomacia russa, por seu lado, denunciou os alegados esforços externos para obstruir a melhoria do diálogo entre sírios.

"Acontece que enquanto nós tentammos progredir e ser construtivos, outros tentam destruir o resultado destes esforços sem se preocuparem com o que fazemos nem com a violação de leis internacionais. Refiro-me às ações de Estados Unidos, Reino Eunido e França contra a Síria", disse Sergei Lavrov, sem rodeios.

O porta-voz do Kremlin garantiu ter havido acordo trilateral de que "as tentativas de dividir a Síria em territórios étnicos e religiosos são totalmente inaceitáveis."

"Vamos opor-nos a quaisquer tentativas de pôr em causa os nossos esforços conjuntos e sublinhamos: o processo de Astana segue estável", acrescentou Lavrov, denunciando "os desenvolvimentos das últimas semanas" como provas de que "nem toda a gente quer que a paz seja reposta na Síria".

"Sempre que a esperança ganha força, um ataque é realizado", precisou.

O ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, por fim, lembrou que o Irão já antes havia "condenado o uso de armas químicas, independentemente das vítimas e dos culpados."

Javad Zafari, o porta-voz de Teerão em Moscovo, defendeu que "o assumir a justiça nas próprias mãos, mas com uma certa agenda política, não faz mais do que complicar" o processo de paz para a Síria.