Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

53 anos de terror da ETA fizeram mais 850 mortos

Separatistas da ETA lêem comunicado
Separatistas da ETA lêem comunicado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

53 anos de ataques que tingiram a Espanha de sangue. Ao todo, mais de 850 pessoas morreram devido à luta armada da Euskadi Ta Askatasuna, a organização mais conhecida por ETA.

Uma luta pela independência do País Basco que começou em 1958, durante a ditadura do general Franco. Um dos ataques que acabou por ter grande impacto foi o homicídio do então Presidente do Governo espanhol Luis Carrero Blanco, em dezembro de 1973.

Nem a transição para a democracia travou o instinto sanguinário da organização. A década de 80, do século passado, ficou marcada por vários atentados e o ano de 1980 foi mesmo o mais mortífero de todos. 91 pessoas morreram.

Sete anos depois acontece o pior massacre da ETA.
A 19 de Junho de 1987, um carro armadilhado explodiu num centro comercial de Barcelona e matou 21 pessoas. Entre as vítimas estavam mulheres e crianças.

O atentado acabou por unir quase todos os partidos nacionalistas bascos na condenação ao terror provocado pelo grupo separatista.

Ao mesmo tempo, a ETA desenvolveu outros métodos de luta e começou a sequestrar pessoas. Os resgates pagos pelas famílias das vítimas ultrapassaram os 100 milhões de euros e revelaram-se uma importante fonte de financiamento da organização

O mais longo destes raptos foi o de José Ortega Lara. Sequestrado em Janeiro de 1996, só regressou a casa em julho do ano seguinte e com menos 23 quilos.

A libertação de Ortega Lara não acalmou a luta armada da ETA que onze dias depois matou o deputado do Partido Popular, Miguel Angel Blanco, depois de um rapto de 48 horas.

Milhares de espanhóis saíram às ruas a condenar esta morte e a contestar a luta armada dos separatistas bascos. As negociações para um acordo entre a ETA e os vários governos não deram grandes resultados, mas as ações policiais foram mais eficazes.

Dezenas de dirigentes da organização foram detidos e para a história, como última vítima da organização, ficou o sargento da polícia francesa Jean-Serge Nérin, abatido em Março de 2010.

No passado mês de Abril, a ETA emitiu um comunicado onde reconheceu o "dano causado" e pediu perdão às vítimas da luta armada.