Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Donald Trump decide e o mundo reage

Reuters
Reuters
Tamanho do texto Aa Aa

Foi por volta das 19h, hora de Lisboa, que Donald Trump anunciou a retirada dos EUA do acordo nuclear com o Irão.

As reações começaram a surgir minutos depois da decisão do governo norte-americano.

IRÃO: "Os EUA é um país que nunca cumpre"

Hassan Rohani, presidente do Irão, reagiu minutos depois da decisão de Trump. Num discurso carregado de crítica aos EUA, disse que o país de Trump "nunca cumpre os acordos internacionais".

Depois de tecer várias críticas à credibilidade do país, o presidente do Irão disse ainda que o país "irá manter o acordo com os outros países." e que "se os interesses do Irão forem respeitados, o Irão compromete-se a comparecer no acordo nuclear, mesmo perante as oposições."

ISRAEL

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, foi dos primeiros a reagir à decisão de Donald Trump. Admitiu que o acordo nuclear com o Irão era "desastroso" e que a decisão dos EUA foi a "mais correta".

UNIÃO EUROPEIA

Federica Mogherini, chefe da diplomacia da União Europeia pediu à comunidade europeia para se manter no acordo, apesar da decisão de Donald Trump.

Num discurso breve, Federica confirmou o que já tinha sido avançado durante a tarde, que a UE irá continuar no acordo nuclear com o Irão.

"O acordo nuclear pertence a toda a comunidade internacional e a UE está determinada a preservá-lo.", disse no discurso.

ONU

António Guterres, Secretário-geral da ONU, manifestou-se, através de um porta-voz. Mostrou-se "profundamente preocupado" com a retirada dos EUA e o reforço de sanções. Apelou aos países que fazem parte do acordo nuclear ao “respeito total pelos compromissos”.

FRANÇA

Emmanuel Macron lamentou, através do Twitter, a decisão de Donald Trump e disse que "o regime de não proliferação nuclear está em risco".

O presidente francês disse ainda que o país irá "trabalhar no sentido de haver um esforço colectivo para um acordo abrangente, que cubra a actividade nuclear, o período pós-2015, a atividade balística e a estabilidade no Médio Oriente, nomeadamente na Síria, no Iémen e no Iraque", disse Macron.

TURQUIA

Foi o ministro da Economia que reagiu à decisão dos EUA. Anunciou que a Turquia vai continuar a negociar com o Irão.

"A partir de agora, vamos continuar a negociar com o Irão dentro do quadro possível e não prestará conta a ninguém sobre o assunto", disse Nihat Zeybekci.

ARÁBIA SAUDITA

Num comunicado oficial, o governo saudita mostrou apoio à decisão de Donald Trump.

“O apoio passado da Arábia Saudita ao acordo nuclear entre o Irão e os países do P5 + 1 baseou-se na sua firme crença na necessidade de trabalhar em tudo o que limitaria a proliferação de armas de destruição em massa no Oriente Médio e no mundo”, lê-se no comunicado.

No documento oficial, governo da Arábia Saudita disse ainda que "espera que a comunidade internacional adote uma postura firme e unida em relação ao Irão e as suas ações hostis e desestabilizadoras contra a região e seu apoio a grupos terroristas, especialmente as milícias Hezbollah e Houthi.".

E também...Barack Obama

Barack Obama também reagiu à decisão de Donald Trump. O ex-presidente norte-americano publicou na rede social Facebook um comunicado, mais tarde partilhado no Twitter, onde admite que a decisão dos EUA "foi um erro grave".

Barack Obama