Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Falta de consenso na política de asilo alimenta divisão na UE

Falta de consenso na política de asilo alimenta divisão na UE
Direitos de autor
. REUTERS/Alkis Konstantinidis
Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de uma centena de migrantes resgatados por uma organização não-governamental, na segunda-feira, passaram mais um dia no mar à espera de autorização das autoridades italianas para irem para terra. O episódio reflete a dificuldade da União Europeia em ter uma política unânime de asilo, quando se aproxima o verão, estação de maiores fluxos migratorios.

"Queremos expandir e fortalecer as fronteiras europeias e a guarda costeira"

Dimitris Avramopoulos Comissário europeu para a Migração

"Todos concordamos que temos de proteger melhor as nossas fronteiras externas. Queremos expandir e fortalecer as fronteiras europeias e a guarda costeira e ter um sistema europeu de gestão de fronteiras totalmente integradas", disse, terça-feira, Dimitris Avramopoulos, comissário europeu para a Migração.

Mas o tema alimenta uma grande divisão entre os Estados-membros na atual discussão para reformar o sistema de Dublin, como é conhecido o pacote legislativo sobre asilo.

Há países que defendem mecanismos de redistribuição dos requerentes para aliviar o fardo dos países de entrada, e outros que recusam essa ideia por considerarem os migrantes e refugiados como uma ameaça para a Europa.

É o caso do primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, recém reeleito, que disse, terça-feira, numa entrevista na rádio, que "o meu governo de coligação está moralmente obrigada a realizar uma emenda à Constituição sobre este tema e vamos efetuá-la".

A emenda visa travar futuros projetos europeus de redistribuição como foi o caso do sistema por quotas para refugiados que chegaram à União via Grécia e Itália, principais portas de entrada de quem cruza o mar mediterrâneo, sobretudo desde 2015. A falta de soluções a nível europeu alimenta a tensão nesses países sobre as condições para ajudar os refugiados e migrantes.