Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Parlamento francês debate penas para violência sexual

Parlamento francês debate penas para violência sexual
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os deputados franceses aprovaram na noite de quarta-feira, em primeira leitura, o projeto de lei para a repressão da violência sexual.

A diferença entre agressão sexual e violação, quando o ato é praticado sobre menores, motivou manifestações de discordância.

"Na proposta de lei, o Governo escreveu um artigo 2 no qual reconhece que em França podemos chamar agressão sexual - ou seja, um mero delito - mesmo quando isso envolve penetração. O que significa que podemos considerar que uma criança que é penetrada por um adulto não foi violada. E nós não concordamos com isso," declarou a militante feminista Caroline De Haas.

Com exceção do LRM ( La République en Marche), todos os grupos deploraram o facto de a Secretária de Estado para a Igualdade entre mulheres e homens, Marlene Schiappa, ter abandonado a intenção de introduzir uma "presunção de não-consentimento".

"O debate não será sobre se a criança resistiu - o que é um debate escandaloso. Será se a criança tem menos de 15 anos - nesse caso, será considerado violação," afirmou Marlene Schiappa.

A "presunção de não consentimento", a que o Governo renunciou por medo de censura constitucional, era esperada pelos grupos de direitos das mulheres e das crianças, depois de dois casos recentes em que meninas de 11 anos foram consideradas pela lei como consentidoras.