EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Yulia Skripal "chocada" com envenenamento

Yulia Skripal "chocada" com envenenamento
Direitos de autor REUTERS/Dylan Martinez
Direitos de autor REUTERS/Dylan Martinez
De  Miguel Roque Dias com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A jovem de 33 anos, confessou que a recuperação tem sido lenta e dolorosa.

Yulia Skripal, a filha do antigo espião russo Sergei Skripal, falou aos media, pela primeira vez desde que ambos foram envenenados, a quatro de março, por um agente nervoso, em Salisbury, no Reino Unido.

Em entrevista exclusiva à agência Reuters, a jovem de 33 anos, confessou que a recuperação tem sido lenta e dolorosa: "Depois de 20 dias em coma, acordei com a notícia de que nós podemos ter sido envenenados. Considero difícil chegar a um acordo com o facto de que fomos ambos atacados dessa maneira. O facto de um agente nervoso ter sido usado para fazer isto é chocante. Ambos temos a sorte de ter sobrevivido a esta tentativa de assassinato ".

Ainda em convalescença, Yulia Skripal não perde a esperança de um dia voltar para a Rússia, mas não para já.

"Vivo um dia de cada vez e quero ajudar a cuidar do meu pai até que a sua recuperação esteja completa. A longo prazo, espero voltar para casa, para o meu país. Sou grata pelas ofertas de assistência da Embaixada da Rússia, mas no momento não desejo usufruir dos seus serviços", afirma.

O caso Skripal provocou um conflito diplomático com Londres a responsabilizar Moscovo pela utilização de uma arma química, o novichok em território britânico. Cerca de 150 diplomatas russos acabaram por ser expulsos de vários países ocidentais, como por exemplo, os Estados Unidos da América ou a maioria dos estados-membros da União Europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Imprensa russa anuncia falsa morte do rei Carlos III

Chefe do exército britânico avisa cidadãos para se prepararem para guerra maciça com a Rússia

Ex-primeiro-ministro do Reino Unido pede desculpa às vítimas pela gestão da Covid-19