A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

#MeToo: Weinstein entrega-se hoje à Justiça

#MeToo: Weinstein entrega-se hoje à Justiça
Direitos de autor
REUTERS/Steve Crisp/Arquivo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Sete meses depois de rebentar o escândalo de abusos sexuais que deu origem ao movimento #MeToo, Harvey Weinstein vai finalmente entregar-se à Justiça em Nova Iorque e deverá ser formalmente acusado.

A informação, avançada por vários meios de comunicação norte-americanos, não foi confirmada nem pela polícia, nem pela procuradoria de Manhattan. O jornal New York Times diz que o antigo produtor de cinema negociou um acordo para poder ser libertado mediante uma canção de um milhão de dólares, a entrega do passaporte e o uso de uma pulseira eletrónica.

Weinstein é representado por Ben Brafman, célebre advogado que obteve o abandono das acusações contra o ex-patrão do FMI Dominique Strauss-Kahn, em 2011.

Desde as primeiras revelações, no outono de 2017, mais de uma centena de mulheres, incluíndo atrizes como Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow ou Rose McGowan apontaram o dedo a Weinstein, com acusações que vão do assédio sexual à violação.