Austrália e Holanda acusam formalmente a Rússia pelo abate do voo MH17

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Reconstituição do avião comercial MH17 abatido no leste da Ucrânia
Reconstituição do avião comercial MH17 abatido no leste da Ucrânia   -   Direitos de autor  REUTERS/Michael Kooren/Arquivo

O governo da Holanda revelou esta sexta-feira que responsabilizava diretamente a Federação Russa pelo seu "papel" no abate do avião comercial da Malaysia Airlines, que estabelecia a ligação entre Amesterdão e Kuala Lumpur com o nome de código MH17.

O avião foi alvejado por um míssil, que a equipa de investigação liderada pela Holanda, concluiu ter pertencido à 53.ª brigada russa, mas sem avançar quem teria dado a ordem para o disparo.

O MH17 foi atingido a cerca de 33.000 pés (10.000 metros) de altitude, quando sobrevoava território no leste da Ucrânia sob controlo dos rebeldes separatistas pró-Rússia.

De acordo com a investigação holandesa, o avião voava dentro do espaço aéreo de segurança, com o limite mínimo colocado na véspera nos 32.000 pés (9.800 metros) de altitude. A investigação denunciou uma alteração dos limites de segurança na região do conflito pelas autoridades aéreas russas para os 53.000 pés (16.000 metros).

"A Holanda e a Austrália solicitaram hoje (sexta-feira, 25 de maio) à Rússia para estabelecer diálogo com vista a uma solução que faça justiça ao enorme sofrimento e danos causados pelo abate do voo MH17", expressou o executivo holandês, alertando que "responsabilizar um país é um processo legal complexo."

À entrada para uma reunião de emergência do executivo holandês, o ministro dos Negócios Estrangeiros Stef Blok sublinhou que todas as evidências "apontam para envolvimento direto da Rússia" no ataque ao avião da Malaysia Airlines.

A Rússia põe em causa as conclusões do relatório. O Kremlin fala em motivações polémicas.