This content is not available in your region

Sanções são para manter na Venezuela apesar de libertação de preso americano

Access to the comments Comentários
De  Pedro Sacadura  com Reuters, AFP
euronews_icons_loading
Sanções são para manter na Venezuela apesar de libertação de preso americano

A libertação de Joshua Holt, preso na Venezuela desde 2016 por alegado armazenamento de armas, não representa um alívio das sanções. O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, sublinhou que são para manter ainda que um porta-voz do regime de Nicolás Maduro tenha falado num "gesto" para melhorar o diálogo entre os dois países.

Joshua Holt, um mórmon do estado do Utah, e a mulher Thamy Candelo, uma venezuelana que conheceu pela Internet, chegaram este sábado a Washington. A acompanhá-los estava o senador Bob Corker, que negociou a libertação.

Holt foi depois recebido na Casa Branca por Donald Trump que saudou o desfecho e elogiou a "coragem" do cidadão norte-americano.

Em 2016, Joshua Holt rumou à Venezuela para se casar com outra mórmon. O casal acabou por ser detido no apartamento da família da mulher. Desde então, o norte-americano esteve detido numa prisão em Caracas.