EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Maduro aclamado após apagão

Maduro aclamado após apagão
Direitos de autor Miraflores Palace via Reuters
Direitos de autor Miraflores Palace via Reuters
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um corte de eletricidade marcou a sessão do congresso do PSUV, que voltou a aclamar Nicolás Maduro. Nas ruas, falta quase tudo e os protestos prosseguem. A inflação na Venezuela pode atingir 1.000.000% este ano, segundo o FMI

PUBLICIDADE

E no congresso que voltou a aclamar Nicolás Maduro como líder do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), de repente, faltou a luz.

No país do mundo com as maiores reservas confirmadas de petróleo falta quase tudo. E também a eletricidade. Cegos perante a dramática realidade em que vive a maioria dos venezuelanos, os acólitos de Maduro reiteraram, "por aclamação", confiança no presidente do Estado que também acolhe uma importante comunidade portuguesa.

Maduro disse que o corte de eletricidade foi uma "sabotagem" e acrescentou:

"Basta de choraminguices. Digo-o assim, com responsabilidade. Vocês não me veem choramingar. Não me veem choramingar em face do imperialismo. Deixem que nos ataquem. Cabe-nos produzir, com ou sem agressão, com ou sem bloqueios, para fazer da Venezuela uma potência económica, produtiva, próspera e grande"

"Em casa sem pão, todos ralham e ninguém tem razão", diz o ditado. Mas, na Venezuela sobram as razões para protestar. Muito do quotidiano é passado em filas intermináveis, sem qualquer certeza de conseguir obter alguns bens de primeira necessidade ou medicamentos. A inflação pode chegar a 1.000.000% este ano, segundo a última estimativa do FMI.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Feriado na Venezuela para assinalar nova moeda

Sanções são para manter na Venezuela apesar de libertação de preso americano

Maduro reeleito por entre denúncias de fraude e alta abstenção