Última hora

Última hora

Cerca de 70 mortos e aumento da chuva agravam crise na Guatemala

Em leitura:

Cerca de 70 mortos e aumento da chuva agravam crise na Guatemala

Bombeiros ajudam cachorro entre as cinzas do Vulcão de Fogo
@ Copyright :
REUTERS/Luis Echeverria
Tamanho do texto Aa Aa

O balanço de vítimas na sequência da erupção do Vulcão de Fuego, na Guatemala, foi atualizado para este terça-feira de manhã para 69 mortos, a maioria por asfixia por sufocação, e pelo menos 46 feridos, alguns em estado grave.

Milhares de animaisforam também afetados, domésticos, rurais e selvagens.

O exército tem revelado também preocupação em retirar os animais das zonas afetadas e estão a ser publicados apelos para tambéms serem doados alimentos para cães, gatos, coelhos e outros animais recolhidos (vídeo em rodapé)

O aumento da intensidade da chuva nos próximos dias ameaça agravar as condições das operações de busca e resgate no perímetro de segurança em torno do vulcão.

A erupção aconteceu domingo. A nuvem piroclástica, de cinzas e matéria expelidas pelo vulcão, cobriu boa parte da região, afetando cerca de 1,7 milhão de pessoas. Mais de 3200 pessoas foram deslocadas e pelo menos 1690 foram acolhidas em abrigos.Há ianda muita gente incontactável.

O Instituto Nacional de Sismologia, Vulcanologia, Meteorologia e Hidrologia (Insivumeh) revela que a atividade do Vulcão de Fuego voltou ao normal, embora ainda se registem algumas explosões moderadas, o que mantém a ameaça de uma eventual nova erupção.

O diretor do Insivumeh fala em boas condições de tempo para as operações de resgate, mas avisa que a chuva se deverá intensificar nos próximos dias e isso poderá ser um problema, sublinhou Eddy Sanchez.

As encostas do vulcão estão repletas de material incandescente e uma das ameaças colocadas pelo aumento da chuva é a eventualidade de avalanchas, que colocariam em risco as localidades mais próximas.

O governo da Guatemala criou um gabinete de emergência permanente, envolvendo vários Ministérios, numa operação liderada pela Coordenação Nacional para a Redução de Desastres na Guatemala (CONRED).

O presidente Jimmy Morales já visitou alguns dos feridos resultantes desta calamidade e mandatou, entretanto, o gabinete de ministros para apresentar um plano de reconstrução de habitações e da rede viária das zonas afetadas.

O socorro às vítimas começou por ser realizado por bombeiros voluntários, mas também o exército da Guatemala já está mobilizado na recolha de bens essenciais, que não param de chegar à região, e na ajuda à reconstrução, já iniciada, em especial das vias de acesso à zona.

Além do Estado de Emergência, o chefe de Estado declarou também três dias de luto nacional pelas vítimas desta tragédia.

O Vulcão de Fuego é um dos mais ativos da América Latina. Esta foi a sua segunda erupção do ano e, de longe, a mais grave.

Com esta região do planeta já na época dos furacões, também o relógio está a pressionar as operações de socorro em torno do vulcão.