Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Brasil inova na medicina em 3D

Brasil inova na medicina em 3D
Tamanho do texto Aa Aa

A impressão 3D está a provocar grandes mudanças no campo da medicina. A empresa brasileira BioArchitects tornou-se pioneira na utilização da tecnologia.

Fundada há quatro anos por Felipe Marques, a empresa usa impressão 3D para criar partes do corpo e membros artificiais.

Com a modelagem computacional baseada em imagens digitalizadas de tomografia axial computadorizada (CAT), a BioArchitects imprime modelos 3D precisos dos órgãos dos pacientes.

"A 4ª Revolução Industrial é um agregado de novas tecnologias. Uma delas eu acredito ser a impressão 3D. O que vai mudar desde a maneira como se faz uma cirurgia, que é o nosso caso, até à maneira como você compra um produto. Por exemplo, no futuro, quando você vai comprar um produto, você não vai comprar numa loja. Se quiser comprar um brinquedo, compra o arquivo daquele brinquedo e vai fazer a impressão na sua casa," afirma Felipe Marques.

Usando o modelo 3D, os médicos podem ver onde intervir e decidir quais procedimentos antes do início da operação real. Os modelos também podem ser usados ​​para fins educacionais.

A BioArchitects também faz implantes. O implante de placa craniana / craniofacial de titânio impresso em 3D foi aprovado para uso pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA.

Por enquanto, os modelos e implantes personalizados ainda são caros e não são cobertos pelos seguros de saúde. No entanto, Felipe Marques está otimista sobre o futuro do mercado de peças corporais artificiais impressas em 3D.