Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ortega diz-se "aberto ao diálogo" com intervenientes na crise nicaraguense

Ortega diz-se "aberto ao diálogo" com intervenientes na crise nicaraguense
Tamanho do texto Aa Aa

Manuel Ortega disse que seria "ideal" um diálogo com Donald Trump para travar o que definiu como a "política dos Estados Unidos contra o seu país," que pensa ser "de intervencionismo." Ortega disse ainda que o diálogo e o consenso são "os seus princípios", estando, por isso, aberto ao diálogo com os empresários do país e com a Conferência Episcopal.

Para Ortega, o "veneno" que existe na Nicarágua relaciona-se com o "intervencionismo norte-americano" e com "grupos de extrema-direita."

As declarações do presidente nicaraguense foram recolhidas pelo canal de informação panamericano Telesur, com sede em Caracas, Venezuela.

Daniel Ortega disse ainda que a violência que se faz sentir na Nicarágua, desde o mês de abril, fica a dever-se a grupos financiados por interesses internos e externos, mas cuja base política se encontra em Miami.

"É lá que se encontram os membros do Congresso e do Senado que sentem que têm o dever acabar com o sandinismo. Podemos ver como estes congressistas e como estes senadores têm como alvo Cuba, Venezuela e a Nicarágua."

O presidente nicaraguense disse ainda à Telesur que, durante os protestos no seu país, houve semelhanças com as manifestações do ano passado na Venezuela e garantiu que há fundos disponíveis para "levar essa experiência à Venezuela."

"Vieram mesmo venezuelanos aqui," disse. "Participaram nas guarimbas" - nome dado aos protestos violentos - "porque são peritos na gestão de redes sociais e viajaram com jóvens financiados pelos Estados Unidos."

Entretanto, o Governo brasileiro convocou a embaixadora da Nicarágua em Brasília, depois da morte de uma estudante no mais recente episódio dos confrontos.

Juntamente com a jovem, morreram também seis manifestantes, três sandinistas e três opositores ao Governo de Ortega. Vários polícias ficaram feridos.

A brasileira, que estudava medicina, terá sido morta por paramilitares, alegadamente apoiados pelo Governo.

CIDH responsabiliza Estado nicaraguense

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos aumentou terça-feira o número de mortos por causa dos protestos na Nicarágua para 295, no contexto da crise social e política, que teve início no passado 18 de abril.

O secretário executivo da CIDH, o brasileiro Paulo Abrão, deu a conhecer o mais recente número na rede social Twitter. No entanto, várias organizações nicaraguenses dizem que o montante é bastante superior e falam em mais de 350 mortos.

Paulo Abrão disse que 76 mortos foram contabilizados durante a visita da CIDH à Nicarágua, no fim do mês de maio, 212 em junho e 264 no princípio deste mês de julho. Foi dia 24 que chegaram a 295.

O secretário executivo da CIDH disse à agência EFE que o Estado nicaraguense é o "único responsável" pela violência no país centro-americano. Abrão diz que pensa que Manágua utilizou as forças de segurança para "reprimir, matar, ferir" e levar a cabo "detenções arbitrárias."

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, disse que a violência na Nicarágua é patrocinada pelo Estado e que o Executivo deve ser responsabilizado pelas mortes que têm acontecido desde abril.

"A propaganda de Ortega não engana ninguém e não muda nada. (...) O Governo dos Estados Unidos pede que o Governo de Ortega ponha fim à violência e JÁ e que leve a cabo eleições antecipadas," escreveu Pence na conta oficial da rede social Twitter.

A Nicarágua atravessa a mais sangrenta crise da história do país centro-americano em tempos de paz e a mais grave desde os anos 80. Na altura, Daniel Ortega era também o presidente da República.

Os protestos contra Daniel Ortega e contra a vice-presidente Rosario Murillo começaram a 18 de abril.

São o fruto de um conjunto de reformas frustradas levadas a cabo pelo Executivo a respeito da Segurança Social. Os manifestantes, muitos dos quais, estudantes, exigiram a demissão do presidente.

José Daniel Ortega Saavedra foi presidente da Nicarágua entre 1985 e 1990.

Voltou ao cargo em 2006 e foi reeleito em 2011 e 2016. Encontra-se há 11 anos no poder e enfrenta acusações de abuso e de corrupção . É membro da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN, esquerda) desde 1962.