A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Cem dias de protestos na Nicarágua

Cem dias de protestos na Nicarágua
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Começaram por ser uma manifestação contra as mudanças na segurança social e nas contribuições fiscais mas os protestos que continuam na Nicarágua fazem-se agora em nome da liberdade e da democracia.

Apesar do apoio dos paramilitares, o Governo de Daniel Ortega não demoveu a revolta popular.

Esta quinta-feira assinalou-se o centésimo dia de protestos. A Associação Nicaraguense pelos Direitos Humanos fala em mais de 400 mortos, 2800 feridos e quase 600 desaparecidos.

De cara coberta e com bandeiras na Nicarágua, os estudantes saíram à rua para lembrar a data assinalada num concerto reivindicativo no sul de Manágua.

Acusam o Presidente Daniel Ortega e a mulher, Rosa Murillo, vice-presidente, de abuso de poder e de corrupção.

Lester Aleman, da Aliança Cívica pela Justiça e Democracia, na oposição, condenou a "caça às bruxas": "Sabemos que vêm atrás de todos os que participam [nos protestos], os que expressam um direito individual."

O Governo responde descrevendo "grupos de terroristas" com um plano de "golpe de Estado."