Aniversário do atentado de Barcelona: Ripoll tenta recuperar do choque

Aniversário do atentado de Barcelona: Ripoll tenta recuperar do choque
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os residentes de Ripoll, a cidade de onde eram originários os terroristas do ataque das Ramblas, em Barcelona, vivem ainda entre o choque e a necessidade de esquecer, na esperança de que o terror não se repita.

PUBLICIDADE

Um ano após o ataque das Ramblas, em Barcelona, a cidade natal dos terroristas, Ripoll, ainda está entre o choque e a tentativa de esquecimento. Eles eram bons e educados, dizem as pessoas na cidade. Como é que puderam fazer uma tal atrocidade? Perguntam. Nuria era auxiliar na escola que frequentaram e nem queria acreditar:

“No princípio nem se acredita . Pensamos que sofreram uma lavagem ao cérebro. Mas quando se vê as imagens, a forma como vão fazer compras ao supermercado e saiem a matar pessoas, com tanta frieza, fica-se a pensar, como é que isto poder ser? Vivi isto com muita dor, como toda a gente aqui".

As famílias dos terroristas ainda vivem num quarteirão nos arredores de Ripoll. A cidade não lhes virou as costas, mas a vida não tem sido fácil para elas. As instituições locais fizeram muitos esforços para promover a coexistência e o contacto entre ambas as comunidade

A conselheira da Perfeitura de Ripoll, Montsina Llimos, diz: “Tem havido um enorme desejo de fazer algo para ajudar a garantir que isto não vai voltar a acontecer. Temos trabalhado num modelo de convivência que visa mudar a maneira como olhamos uns para os outros e como entendemos a diferença, para encará-la como uma oportunidade""

O novo imã, Mohamed El Onscre, abre-nos a porta da mesquita onde há um ano o líder da célula terrorista, Abdelbaki Es Satty, instigava os fiéis. "Hoje só há aqui oração e paz", diz. "Está tudo bem. As pessoas já esqueceram o que aconteceu. Podia ter acontecido em qualquer lugar. Eu não tinha nada a ver com essas coisas, eu vim trabalhar com a minha família e meu trabalho é limpo.  Eu não faço nada errado, eu estou bem com todo mundo - nós, vocês ...".

Ainda que as pessoas precisassem rapidamente de recuperar uma vida normal, o quotidiano não era comum em Ripoll. Era necessário seguir em frente, mas também seria necessário um debate coletivo, que não aconteceu, sobre o que realmente levou adolescentes, aparentemente bem integrados, a planearem um ataque.

Para Moussa Bourekba, especialista do Centro de Relações Internacionais de Barcelona, isso é grave: “Não houve nenhum debate nas semanas que se seguiram ao ataque. Do nosso ponto de vista isso é extremamente preocupante, porque não há nada hoje para nos garanta que isso não se reproduzirá, porque pode reproduzir-se, é uma ameaça que afeta a Catalunha, a Espanha e o resto da Europa ”.

Uma ameaça que ninguém pode antecipar, nem noutro sítio, nem aqui em Ripoll. A vida retoma, pois, o seu curso, com esperança de que não se repita.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cambrils lembra vítimas do ataque do ano passado

Um ano depois dos atentados da Catalunha

Protesto pró-Palestina em Barcelona