Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

ONU estima existirem 2,3 milhões de refugiados venezuelanos

ONU estima existirem 2,3 milhões de refugiados venezuelanos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Fogem da fome e procuram abrigo. São já 2,3 milhões de venezuelanos que escapam do país destroçado pela miséria e o caos. A estimativa foi divulgada pelas Nações Unidas, que apontam também outros graves problemas na Venezuela, para além da fome.

"Existe também penúria de medicamentos básicos e material médico, o que conduz a uma acentuada deterioração da qualidade dos hospitais. Os nossos colegas afirmam que existem mais de 100 mil seropositivos e com SIDA a necessitarem de atenção médica e que doenças que já tinham sido erradicadas, como o sarampo, malária, tuberculose e a difteria, estão presentes e em ascensão", explica Stephane Dugarry, porta-voz do Secretário Geral da ONU.

O Brasil, a Colômbia, o Equador e o Peru são os principais destinos dos procuram proteção. O fluxo massivo de refugiados está a causar problemas. Por exemplo, o governo do Equador decretou na semana passada o estado de emergência por causa da afluência massiva de venezuelanos e longas esperas nas zonas fronteiriças.

Nós viemos desesperados porque nenhum pai de família pode imaginar perder o conforto do seu lar, do seu país para se refugiar no estrangeiro com dois filhos menores. (...) "Na Venezuela percebia de contabilidade, trabalhava com 35 empresas e não dava para eu comprar dois pacotes de leite para a bebé", diz um homem.

O Partido Socialista Unido da Venezuela, do antigo presidente Hugo Chavez e do atual, Nicolas Maduro, governa a Venezuela há quase 20 anos.