Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Eurodeputados de regresso ao trabalho

Eurodeputados de regresso ao trabalho
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Para os deputados europeus, setembro é sinónimo de regresso ao trabalho. Fomos saber o que esperam conseguir nos próximos seis meses.

Questão 1 - O que é que está na sua lista?

"Pessoas, a polícia, funcionários da emigração, guardas fronteiriços, que todos tenham as informações de que precisam o mais rapidamente possível", Jeroen Lenaers, eurodeputado holandês, PPE

"Quero mais equilíbrio entre o trabalho e a vida", Edouard Martin, eurodeputado francês, Socialistas e Democratas

"Penso que estamos muito preocupados sobre como vamos lidar com os refugiados", Karin Kadenbach, eurodeputada austríaca, Socialistas e Democratas

"A prioridade é garantir que conseguimos o Brexit para o qual trabalhámos e que o governo faça uma negociação como deve ser e não ceda muitos poderes à União Europeia", Steven Woolfe, eurodeputado independente, Reino Unido.

Questão 2: Quem recomendaria como melhor aluno ou aluna?

(risos)

Baronesa Nosheenq Mobarik, eurodeputada britânica, Conservadores Europeus

"Ninguém. Eu quero um novo presidente", Edouard Martin, eurodeputado francês, Socialistas e Democratas

"O meu diretor político, Manfred Weber", Jeroen Lenaers, eurodeputado holandês, PPE

"Ainda sou uma fã de Schulz embora ele agora não se encontre no Parlamento", Karin Kadenbach, eurodeputada austríaca, Socialistas e Democratas

Questão 3: Quem é que colocaria de castigo?

"Florian Phillipot - ele nunca está cá", Edouard Martin, eurodeputado francês, Socialistas e Democratas

"Todo o partido UKIP. Não vamos sentir a falta deles, nãoi fazem nada aqui e são um aborrecimento", Jeroen Lenaers, eurodeputado holandês, PPE

"Gostaria de colocar Verhofstadt de castigo e juntar-me a ele por um par de horas e negociar o futuro para a Grã-Bretanha, a Europa e o resto do mundo. Ia ser engraçado", Steven Woolfe, eurodeputado independente, Reino Unido.