Médico espanhol enfrenta 11 anos de prisão no caso dos "bebés roubados"

Médico espanhol enfrenta 11 anos de prisão no caso dos "bebés roubados"
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Chegaram ao fim as audiências do julgamento em Madrid de um antigo médico obstetra envolvido no caso dos "bebés roubados" durante a ditadura espanhola.

PUBLICIDADE

A Procuradoria espanhola pediu 11 anos de prisão para Eduardo Vela, um antigo médico obstetra de 85 anos acusado de ser um dos orquestradores do roubo de bebés durante o franquismo.

Entre as seis testemunhas ouvidas na última audiência do julgamento em Madrid, uma jornalista francesa, que fez uma reportagem em 2013, declarou que Vela lhe terá confirmado a autoria dos factos.

Foi Inès Madrigal quem conseguiu sentar Vela no banco dos réus. Esta mulher de 49 anos acusa-o de a ter roubado à família biológica, mediante a solicitação de um padre, e de ter falsificado a certidão de nascimento. Foi graças ao testemunho da mãe adotiva, entretanto falecida, que Inès descobriu a sua história.

Os "bebés roubados" durante a ditadura espanhola eram recém-nascidos tirados a opositoras do regime ou simplesmente mulheres pobres para serem entregues a famílias quase sempre próximas do poder. Suspeita-se que estejam em causa milhares de casos.

O veredito deverá ser anunciado dentro de um mês.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal absolve culpado do roubo de recém-nascidos

Agricultores espanhóis bloqueiam estradas e autoestradas com tratores, pneus e ramos de árvores

Incêndio em prédio de 14 andares em Valência faz pelo menos quatro mortos