Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Campanha de Kaepernick criticada por Trump já está a render à Nike

Campanha de Kaepernick criticada por Trump já está a render à Nike
Tamanho do texto Aa Aa

A aposta da fabricante de artigos desportivos Nike em Colin Kaepernick, o jogador de futebol americano criticado pelo Presidente Donald Trump por se ajoelhar durante o hino, afinal já está a render de forma indireta à marca.

Em menos de 24 horas horas após a revelação segunda-feira da nova campanha pelo próprio desportista, a Nike terá tido uma exposição mediática estimada pela Bloomberg em 43 milhões de dólares, a grande maioria neutra ou positiva.

A própria tenista Serena Williams, também ela uma das caras da marca, fez questão de partilhar pelas redes sociais o "orgulho" em pertencer à "família Nike", numa publicação repartilhada entretanto pelo próprio Colin Kaepernick.

O atleta terá sido um dos promotores do protesto simbólico de muitos jogadores da Liga de Futebol Americano (NFL) contra a injustiça racial e a violência policial contra latinos e afro-americanos que se faziam sentir nos Estados unidos em meados de 2016.

Em março de 2017, Kaepernick acionou uma cláusula do contrato com os San Francico 49ers e tornou-se um jogador livre, mas nenhuma outra equipa o viria a contratar. Até hoje.

Muitos apontam o dedo à NFL e às pressões para castigar o jogador por não se manter de pé durante a entoação do hino americano no início dos jogos. O próprio Donald Trump reforçou as críticas à posição de Kaepernick.

Já esta quarta-feira, o Presidente dos EUA voltou ao tema no Twitter para manifestar a teoria de que "a Nike está absolutamente a ser liquidada pela ira e os boicotes" gerados pela campanha com Kaepernick.

Trump não poupou também a própria NFL, afirmando que as audiências da competição estão a baixar e a explicar porque também opta por não ver os jogos. "É-me difícil assistir, e sempre vai ser, até que eles mostrem respeito pela bandeira [dos EUA]", escreveu.

É verdade que a exposição da marca não foi toda positiva ou neutra. Muitos internautas partilharam vídeos a destruir artigos da Nike e é verdade também que as ações da marca fecharam terça-feira em queda na bolsa.

É verdade também que o mesmo aconteceu com as ações de algumas empresas rivais da fabricante americana como a alemã Adidas, que, ao que se sabe, não iniciou nenhuma campanha controversa nos últimos dias e por isso não teria razão para a queda, na ótica de Trump.