Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Hungria pode vir a sofrer sanções

Relatora do PE, Judith Sargentini
Relatora do PE, Judith Sargentini
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Na próxima semana a Hungria volta a dominar as atenções.

"Os cidadãos húngaros têm direito à democracia e ao estado de direito como quaisquer outros cidadãos europeus"

Judith Sargentini Relatora do Parlamento Europeu

O parlamento europeu vota a ativação do Artigo 7º contra a Hungria.

No relatório Sargentini, a relatora do Parlamento Europeu apela à ativação do processo do Artigo 7º que poderá resultar na imposição de sanções.

O maior grupo parlamentar, o PPE, encontra-se dividido sobre esta matéria.

"Penso que vai ser uma votação difícil, uma maioria de dois terços é muito. Mas sei que o parlamento apoia o relatório que eu elaborei e que foi decidido no Comité das Liberdades Civis. Mas a mensagem é clara: as coisas não correm bem na Hungria e os cidadãos húngaros têm direito à democracia e ao estado de direito como quaisquer outros cidadãos europeus", afirma Judith Sargentini, relatora do Parlamento Europeu e autora do relatório.

No relatório, Sargentini afirma que o executivo liderado por Viktor Orban infringiu valores europeus de forma repetida. O documento destaca problemas no sistema eleitoral, corrupção, liberdade de expressão, liberdade académica, entre outros. No entanto, o facto de Orban ter ganho eleições, não será isso suficiente legitimidade democrática?

"Não penso que seja democrática a apropriação de fundos europeus para o enriquecimento da sua própria família. Não penso que seja democrático encerrar jornais de um dia para o outro. Penso que os húngaros querem fazer parte da Europa e querem órgãos de comunicação independentes", afirma a relatora.

O ministro húngaro dos negócios estrangeiros descreveu o relatório como uma coleção de mentiras. O governo insiste que o relatório é um ato de vingança das forças de esquerda devido às políticas anti-emigração de Viktor Orban.