Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Suécia: Sociais-democratas procuram coligação

Suécia: Sociais-democratas procuram coligação
Tamanho do texto Aa Aa

Na sede do Partido Social-Democrata da Suécia, que tem governado, o clima da noite eleitoral era de festa, apesar de o resultado ter ficado muito aquém do desejado.

O partido do primeiro-ministro, Stefan Löfven, perde mais de três pontos percentuais e vê-se obrigado a negociações com vista a uma coligação governamental. A tarefa promete não ser fácil, mas os apoiantes não deixam de celebrar:

"Não é o melhor resultado que poderíamos ter tido (...), mas penso que é um bom resultado, ver que os principais partidos continuam a ser os mais votados apesar de os Democratas da Suécia estarem a ganhar terreno", afirma um jovem.

Outra jovem exprime: "Estou um bocadinho frustrada, claro, mas fizemos uma boa eleição. Temos esperança nos valores que defendemos e isso, para mim, é o mais importante".

Com resultados muito equilibrados entre os dois grandes blocos políticos, o fiel da balança poderá ser o partido da direita, populista e anti-imigração que conseguiu mais de 17% dos votos.

O repórter da Euronews em Estocolmo faz uma breve análise da noite eleitoral:

"Bem, agora é mais do que evidente que esta é uma eleição sem vencedor, nem perdedor, claro. Os rostos sombrios aqui na sede do Partido Social-Democrata foram substituídos, de alguma forma, pelo que pode ser descrito como uma celebração. O partido sentia que esta seria uma eleição historicamente má mas, ainda assim, foi melhor do que temiam os seu líderes. Do outro lado, os Democratas da Suécia, o partido de direita, populista e anti-imigração fez, por seu turno, uma eleição historicamente boa, mas não tão boa quanto esperavam. É agora tempo de passar à mesa das negociações, para se saber que tipo de coligação vai governar este país, o que, provavelmente, levará dias, semanas, ou, talvez, até meses".