Última hora

Última hora

Cho e Hamada surpeendem em Baku

Em leitura:

Cho e Hamada surpeendem em Baku

Cho e Hamada surpeendem em Baku
Tamanho do texto Aa Aa

Vencedor de dois Grand Slam, o judoca sul-coreano Guham Cho conquistou a sua primeira medalha de ouro no Campeonato do Mundo ao sexto dia de competição nos Mundiais da Baku.

O francês Maret foi a primeira vítima. Depois bateu o holandês Michael Korrel. O russo Niyaz Ilyasov foi vítima da velocidade de Cho na semifinal e acabou na terceira posição.

Na final de -100Kg, Cho enfrentou o georgiano Varlam Liparteliani. Cinco minutos de tempo adicional foram necessários a Cho para conseguir bater o georgiano, medalha de prata nos Jogos Olímpicos. A pontuação de waza-ari deu a vitória e um sorriso radiante ao sul-coreano,

O português Jorge Fonseca terminou na sétima posição.

"Liparteliani é um atleta que tenho estudado muito e sobre quem me falaram muito. É um adversário extremamente difícil e altamente qualificado. Acho que vou ter muito cuidado quando voltar a competir contra ele," declarou Guham Cho.

O japonês Aaron Wolf, ex-campeão mundial, enfrentou o mongol Otgonbaatar Lkhagvasuren. Para grande alegria dos fãs que agitavam orgulhosamente a bandeira da Mongolia nas bancadas, Otgonbaatar conquistou o terceiro lugar ao bater Wolf por ippon com te-waza.

Na competição feminina, a vencedora do Grand Slam de Tóquio, Shori Hamada, conquistou o ouro do Campeonato Mundial na sua primeira tentativa.

Durante todo o dia, Hamada mostrou o seu vasto leque de capacidades, projetando, contrariando e dominando os oponentes sobre o tatami.

Na semifinal, a campeã mundial, a holandesa Marhinde Verkerk, sucumbiu a Shori Hamada com um o-uchi-gari para ippon.

Na final de -78 Kg, a japonesa confirmou o seu papel de pesadelo para as judocas holandesas ao bater a número 1 do mundo, Guusje Steenhuis, no "ponto de ouro".

Para alegria dos fãs japoneses, Steenhuis recebeu um terceiro shido, foi desclassificada, e Shori Hamada subiu ao ponto mais alto do pódio.

“Sempre sonhei em vencer num grande evento, como campeonatos mundiais ou Jogos Olímpicos, então este é um momento muito feliz para mim. É a primeira vez que enfrento um "ponto de ouro" tão longo. Normalmente, quando tenho estes encontros muito renhidos e vão para "ponto de ouro", acabo por perder. Mentalmente, tive de me convencer que a vitória era possível," afirmou Shori Hamada.