Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Portugal lembra Venezuela de que "há uma linha vermelha" com custos

Augusto Santos Silva encontrou-se com o homólogo em Nova Iorque
Augusto Santos Silva encontrou-se com o homólogo em Nova Iorque
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Portugal lançou um sério aviso à Venezuela por causa dos sete portugueses e cinco lusodescendentes, todos gerentes de supermercados, detidos na semana passada por alegada violação da lei orgânica de preços justos através de alterações nos respetivos estabelecimentos.

O ministro português Augusto Santos Silva encontrou-se em Nova Iorque com o homólogo venezuelan, Jorge Arreaza, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas.

"Pedi em primeiro lugar acesso imediato aos detidos da parte ds nossas autoridades consulares e da embaixada portuguesa. Disse ao meu colega que para nós havia uma linha vermelha e que, evidentemente, não haver progressos na superação deste problema teria consequências nas relações bilaterais", revelou Santos Silva, em declarações à comunicação social.

A Venezuela atravessa uma grave crise económica e boa parte da população tem fugido do país. Os que ficam tentam adaptar-se às mudanças constantes que têm vindo a ser impostas pelo governo de Nicolás Maduro

Em Bruxelas, o eurodeputado português Francisco Assis questionou a Comissão Europeia sobre as medidas a seguir pelo bloco perante as detenções.

"Que diligências pretende a União Europeia tomar no sentido de apoiar os empresários de origem europeia arbitrariamente espoliados e detidos pelo regime, e, em particular, obter a imediata libertação dos portugueses e lusodescendentes agora presos", questionou o eurodeputado socialista, numa carta enviada ao executivo comunitário.

No documento, Assis, que em junho liderou uma missão do Parlamento Europeu junto dos refugiados venezuelanos instalados na fronteira com o Brasil, recorda que o colapso económico e social da Venezuela, “cujo sintoma mais grave é a crise humanitária que hoje indigna o mundo”, afeta a população de forma transversal, incluindo as comunidades de estrangeiros que “ao longo de décadas contribuíram para o desenvolvimento do país”.

“A retórica de auto-vitimização com que o regime procura camuflar a sua responsabilidade pela crise, assente na ideia de uma alegada guerra económica travada por potências estrangeiras, tem servido para justificar práticas reiteradas de ocupação de empresas pelos “coletivos”, milícias a soldo do oficialismo, e detenções arbitrárias de empresários oriundos de diversos países europeus”, acrescenta.

Na quinta-feira, o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que 34 gerentes de “grandes supermercados”, portugueses ou lusodescendentes, foram detidos por violar a lei.

No dia seguinte, na sexta-feira, em Lisboa, o Ministério dos Negócios Estrangeiros convocou o embaixador venezuelano para lhe transmitir a “grande preocupação” do Governo pela detenção dos 34 gerentes de duas cadeias de supermercados portugueses.

Um tribunal da Venezuela decidiu manter em prisão preventiva pelo menos dez portugueses e luso-descendentes, todos eles gerentes de supermercados, acusados de boicote económico, de impedir o abastecimento de produtos básicos e de violarem as leis que regulam os preços.

O ministro das Relações Exteriores (ou Negócios Estrangeiros) da Venezuela abordou a situação dos portugueses numa longa publicação no Twitter dividida em quatro partes:

Jorge Arreaza salienta a "alta valorização da comunidade portuguesa" na Venezuela, que descreve como "mais de 400 luso-venezuelanos honestos, trabalhadores, muito apreciados e respeitados pelo povo da Venezuela."

"Ações individuais ou de um pequeno grupo de empresários jamais lograram ofuscar o brilho e os feitos de to querida comunidade", prosseguiu o ministro venezuelano, sublinhando que "na Venezuela impera o Estado de Direito e de Justiça."

"As instituições (venezuelanas) investigarão qualquer delito que se cometa, sem reparar na origem ou procedência dos envolvidos, garantindo sempre o devido processo e acesso à justiça", garantiu o chefe da diplomacia venezuelana, prometendo trabalhar com a comunidade portuguesa para "alcançar o bem-estar de todos os habitantes da Pátria."