Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ópera contemporânea "Berenice" estreia em Paris

Ópera contemporânea "Berenice" estreia em Paris
Tamanho do texto Aa Aa

A sala de ópera de Paris celebra 350 anos de existência com a estreia mundial de "Berenice". A partir do texto original de Racine, o compositor suíço Michael Jarrell compôs uma ópera para o século XXI.

A soprano canadiana Barbara Hannigan, especialista em ópera contemporânea, veste a pele de uma personagem complexa.

"É muito interessante porque Berenice é uma obra fundamental na cultura francesa. É uma personagem forte. Quando olhei para a partitura, a primeira vez, vi que a obra tinha sido escrita para mim. Contém a virtuosidade que eu gosto de incarnar, com as minhas notas agudas e graves. Mas vê-se sobretudo a marca do compositor. Ele é muito bom e eu tenho de me transformar na personagem que ele criou", explicou Hannigan.

"No início, o canto é calmo mas rapidamente a forma de cantar torna-se nervosa com pequenos elementos que se repetem e representam a angústia. Ela começa a perceber que perdeu o controlo da situação", comentou Michael Jarrell.

A obra de Racine conta o amor trágico entre Berenice, rainha de Judeia e Tito que abdica da relação amorosa para tornar-se imperador de Roma.

"Tentei mostrar os conflitos interiores dos protagonistas e mergulhar profundamente na alma deles. Queria mostrar que a Berenice, no fundo, sabe, desde o início, que vai cair, que vai perder. Foi por isso que integrei ao longo da obra pequenos flashes que mostram que no fundo ela sabe que está condenada", contou o encenador Claus Guth.

"No final, a música desaparece, há algo que se esvai, há ressonâncias... É a música do adeus. O facto de ela não ter outra possibilidade cria uma poesia do amor muito forte, algo puro e sobrenatural", considerou o compositor suiço.

"Ela decide que tem de deixar Tito. Gosto deste efeito de desaparecimento gradual porque o amor não morre. O ser humano não morre. A relação não morre, mas há algo que desaparece, penso que é algo muito poético", concluiu Barbara Hannigan.