Última hora

Última hora

Putin denuncia que Daesh fez 700 reféns na Síria

Putin denuncia que Daesh fez 700 reféns na Síria
Tamanho do texto Aa Aa

Vladimir Putin denunciou, esta quinta-feira, que o grupo Estado Islâmico sequestrou cerca de 700 pessoas na Síria e que 10 foram, já, executadas.

O presidente russo afirma que muitos dos reféns são cidadãos dos Estados Unidos da América e de países da Europa.

"Há membros do Daesh que permanecem em vários locais. Eles voltaram a ampliar a sua presença recentemente. Eles levaram cerca de 130 famílias que são quase 700 pessoas que foram feitas reféns. Eles emitiram um ultimato com várias exigências e avisam que caso o ultimato não seja cumprido, vão matar 10 pessoas diariamente. Eles fuzilaram 10 pessoas no dia anterior, executaram-nas e começaram a cumprir as suas ameaças. É um puro horror e uma catástrofe... Devemos fazer algo sobre isto. Por que razão os nossos colegas mantêm silêncio sobre isto? De acordo com as nossas informações, há vários cidadãos norte-americanos e europeus entre os reféns", assegura Vladimir Putin.

Segundo a agência de notícias russa, TASS, os militantes do grupo Estado Islâmicos raptaram as pessoas na província de Deir-al Zor, no nordeste da Síria, no dia 13 de outubro.

O rapto terá ocorrido após o Daesh ter atacado um campo de refugiados numa área controlada pelas forças norte-americanas.

De acordo com a agência russa, as cerca de 700 pessoas terão sido levadas para a cidade de Hajin, situada a mais de 400 quilómetros de Damasco.