Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Comunidade internacional exige investigação à morte de Jamal Khashoggi

Comunidade internacional exige investigação à morte de Jamal Khashoggi
Tamanho do texto Aa Aa

E se Donald Trump parece estar convencido pelas explicações da Arábia Saudita relativamente à morte de Jamal Khashoggi, o resto da comunidade internacional nem por isso.

A Turquia continua a afirmar que tem provas incriminatórias para Riade e que não abdica de as apresentar ao mundo. Numan Kurtulmuş, adjunto de Recep Tayyip Erdoğan no Partido da Justiça e Desenvolvimento é peremptório:

"A Turquia não vai baixar os braços neste caso feio, assustador e desumano, um crime contra a Humanidade. Nunca iremos permitir o encobrimento de um crime cometido no edifício do consulado, que apesar de ser em Istambul é território da Arábia Saudita."

Já a Chanceler alemã, Angela Merkel, pronunciou-se sobre o assunto durante um comício da CDU. Depois de elogiar a luta pela liberdade na Alemanha, que levou à queda do muro de Berlim, lamentou o facto dessa liberdade ainda não ter chegado a todo o lado e apontou o dedo à Arábia Saudita, exigindo uma explicação para os terríveis acontecimentos no consulado de Istambul.

Lars Løkke Rasmussen, Primeiro-ministro da Dinamarca, não escapou à indignação geral:

"O facto dos sauditas terem confirmado a sua morte depois de terem dado a entender que ele tinha saído do consulado ainda em vida mostra que ainda não chegámos ao fundo da questão. Temos de insistir e apurar a verdade, a última palavra ainda não foi dita."

Também António Guterres se manifestou, declarando-se profundamente preocupado e apontando para a necessidade de uma investigação rápida, completa e transparente.