Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

“Podem mandar 12 cartas até ao Natal” que o Orçamento não muda"

“Podem mandar 12 cartas até ao Natal” que o Orçamento não muda"
Tamanho do texto Aa Aa

Nem que Bruxelas mande 12 cartas, a Itália não vai mudar o orçamento do estado para o próximo ano.

A ideia foi expressada esta quarta-feira pelo ministro do interior e líder da extrema-direita, Matteo Salvini, numa entrevista à rádio RTL.

Se a relação do governo de Giuseppe Conte com a União Europeia já era difícil, agora piorou com a decisão inédita de Bruxelas de rejeitar a proposta de orçamento italiana.

Foi a primeira vez que a Comissão Europeia rejeitou o orçamento de um estado membro.

O governo de Conte tem agora até 13 de novembro para enviar a Bruxelas uma nova proposta de orçamento. E uma semana depois, a 21 de novembro, a Comissão Europeia dará o parecer final sobre o documento.

Se a Itália não alterar a proposta de orçamento, a Comissão pode abrir um procedimento por défice excessivo contra o país, aplicar multas e colocar Roma novamente na mira dos mercados internacionais.

Sanções financeiras que podem chegar até duas décimas do Produto Interno Bruto do país, o que no caso italiano equivale a cerca de 5 mil milhões de euros.

Em maio, a Itália tinha-se comprometido a reduzir o défice estrutural das contas públicas em seis décimas, mas no orçamento do novo governo, não só não reduz, como ainda aumenta oito décimas.

Um desvio que a Comissão Europeia considera significativo, ainda para mais num país que tem uma dívida pública de cerca de 130% do Produto Interno Bruto.