Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Bolsonaro na frente das sondagens mas Haddad continua a subir

Bolsonaro na frente das sondagens mas Haddad continua a subir
Tamanho do texto Aa Aa

Os brasileiros vão às urnas, este domingo, para escolher o próximo Presidente. As sondagens indicam que o candidato de extrema-direita, Jair Bolsonaro, Partido Social Liberal (PSL) pode ganhar a eleição.

Na mais recente sondagem Datafolha (24 e 25 de outubro) Bolsonaro registava 56% das intenções de voto, enquanto o seu oponente, Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), conseguia 44%.

Bolsonaro, defensor da ditadura e da tortura, promete liberalizar a venda de armas de fogo e dar mais poderes à polícia para atirar contra criminosos.

O seu estilo contrasta com o do PT e com a presidência de Luiz Inácio Lula da Silva em 2003. Lula tirou milhões de pessoas da pobreza e registou um enorme crescimento económico.

Mas a recessão chegou e Lula foi preso por corrupção. E não haverá soluções rápidas se Bolsonar ganhar a eleição presidencial.

"De muitas maneiras, o movimento por trás do Bolsonaro é muito parecido com o que levou Donald Trump à Casa Branca. Acho que vai haver uma tentativa de Bolsonaro de agradar os americanos. O problema do Brasil, no entanto, é que é extremamente dependente das relações económicas com a China," esclarece o especialista em América do Sul, Richard Lapper.

Fernando Haddad é visto por muitos como um substituto de Lula da Silva.

O candidato do PT continua a lutar para subir nas sondagens. De recordar que, no início de setembro, o ex-ministro da Educação (2005-2013) e ex-prefeito de São Paulo (2013-2016) representava 4% das intenções de voto enquanto na mais recente sondagem da Datafolha soma 44%.

O seu slogan de campanha é "O povo feliz de novo" ... o mesmo slogan que Lula usou como Presidente.