Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rússia aprova novas sanções à Ucrânia

Rússia aprova novas sanções à Ucrânia
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia decidiu aplicar novas sanções à Ucrânia, desta vez dirigidas a um conjunto de 400 personalidades e empresas. A medida é, segundo Moscovo, uma represália contra a limitação, por parte da Ucrânia, das relações económicas e comerciais com a Rússia, Ações que sobem de tom desde a destituição do governo pró-russo de Kiev, há cinco anos, e do início do conflito armado no leste ucraniano. As sanções estão num decreto assinado esta quinta-feira pelo primeiro-ministro russo Dmitri Medvedev e visam 322 indivíduos e 68 empresas ou organizações.

Das pessoas afetadas, a mais mediática é a antiga primeira-ministra Yulia Timoshenko, candidata às presidenciais ucranianas do próximo ano. Um filho do atual presidente Petro Poroshenko está também entre os visados, que incluem juízes, deputados, empresários e membros da administração. Todos vão ver congelados os ativos que detêm na Rússia e são proibidos de exportar capitais a partir do país.

Moscovo alega uma série de ações hostis por parte da Ucrânia contra cidadãos e entidades legais russas. O empresário Dmytro Firtash, atualmente fora da Ucrânia e com problemas com a justiça de vários países, não está na lista, mas é dono de várias empresas incluídas nas sanções. Em jeito de desafio à Rússia, o presidente ucraniano Petro Poroshenko diz que "estar na lista dos visados pelas sanções deve ser considerado uma uma razão de orgulho".

"Dmitri Peskov, porta-voz de Vladimir Putin, expressou esperança que, com a introdução destas medidas, Kiev mostre vontade de normalizar as relações. Os presidentes Putin e Poroshenko vão a Paris no dia 11 de novembro, festejar o centenário do armistício da Primeira Guerra Mundial. Há dúvidas sobre um encontro entre os dois. Mesmo se isso acontecer, é difícil estimar se será, ou não, produtivo. A bola está agora nos pés da Ucrânia", contou a correspondente da euronews em Moscovo, Galina Polonskaya.