Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Sonya Yoncheva encanta Berlim na pele de Medeia

Sonya Yoncheva encanta Berlim na pele de Medeia
Tamanho do texto Aa Aa

Sonya Yoncheva intepreta o quinquagésimo papel da sua carreira, desta vez, na pele de Medeia, a heroína trágica da ópera de Luigi Cherubini de 1797.

A obra é executada pela Ópera Estatal de Berlim, sob a batuta de Daniel Barenboim.

"É um ser humano que sofre de forma explosiva e, ao mesmo, tempo, acho que ela é extremamente inteligente e completamente irresistível", relatou a soprano búlgara.

"É uma partitura revolucionária. Há momentos em que ficamos convencidos de que, sem esta obra, Beethoven nunca poderia ter composto 'Fidelio'. Até certo ponto, é uma obra que aponta para o futuro. Há também momentos em que soa como Berlioz, tem um som do século XIX", disse Daniel Barenboim.

Escrita depois da revolução francesa, a ópera lítica italiana baseia-se na tragédia grega de Eurípides. Ao ser repudiada e abandonada, Medeia mata os filhos para se vingar do marido.

Elsa Dreisig veste a pele de Dircé.

"A Dircé é uma mulher dividida. Por um lado, odeia Medeia que representa a sua desgraça. Medeia é maldita mas representa também uma mulher livre", explicou a soprano soprano franco-dinamarquesa.

"O terceiro ato é um momento poderoso. Mostra a destruição provocada por Medeia, o sentimento de perda total de controlo, mas ao mesmo tempo vemos o poder dela. Penso que ela está numa espécie de transe mas é um transe consciente" sublinhou Sonya Yoncheva.

"O que me atrai nesta ópera é a forma enigmática da escrita musical. Esta obra nunca é previsível. É por isso que a adoro. Levei algum tempo para integrá-la porque é uma música imprevisível. Nunca segue a direção esperada", acrescentou a soprano búlgara.