EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Trump aponta baterias contra Emmanuel Macron

Trump aponta baterias contra Emmanuel Macron
Direitos de autor 
De  Pedro Sacadura com Reuters, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Palácio do Eliseu mantém silêncio sobre ofensiva de Trump no Twitter.

PUBLICIDADE

O clima de paz podre entre Donald Trump e Emmanuel Macron durou pouco. Os sinais de tensão estiveram sempre presentes durante as cerimónias do centenário do armistício da Primeira Guerra Mundial, em Paris, no domingo.

Com o presidente dos EUA na plateia, o homólogo francês apelou aos líderes mundiais para rejeitarem o nacionalismo. Não tardou muito até Trump recorrer à contraofensiva no Twitter.

Referiu que Emmanuel Macron tem um problema de popularidade e acrescentou, em tom irónico, que não há país mais nacionalista do que França. Não deixou ainda de fazer uma analogia com o próprio slogan de campanha.

Também não lhe agradou a sugestão de Macron para criar um exército europeu de forma a proteger o velho continente dos EUA, da China e da Rússia.

Conhecedor de história, Trump lembrou as derrotas francesas frente à Alemanha nas duas guerras mundiais e acrescentou que "em Paris se estava a aprender a falar alemão antes de os EUA chegarem."

Na cidade francesa de Lyon reage-se com desdém aos tweets de Trump.

"Os franceses estão cansados de todos os tweets de Donald Trump contra o povo francês ou outros povos no mundo. Por isso não é importante saber todos os dias o que dizem as publicações dele", sublinhou, em entrevista à Euronews, um residente.

"As palavras estão um pouco deslocadas hoje em dia no quadro das conferências de paz. Não temos lições a dar aos alemães e aos franceses sobre o que aconteceu no passado. Penso que foi um milagre conseguir a paz. Atravessou uma geração e esse é o milagre europeu", acrescentou outro residente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Campos Elísios transformam-se numa enorme mesa de piquenique

"Acordemos". Macron alerta para os "maus ventos" da extrema-direita em discurso na Alemanha

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon