A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Chizhov: "A Rússia não é ameaça para ninguém no mundo"

Chizhov: "A Rússia não é ameaça para ninguém no mundo"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A proposta francesa relativa à criação de um exército europeu está a mobilizar vários governos da União Europeia e a gerar acesa discussão. A Rússia foi um dos países referidos pelo presidente francês Emmanuel Macron como uma possível ameaça à Europa.

"Não consideramos a União Europeia como nosso adversário"

Vladimir Chizhov Representante Permanente da Federação Russa na União Europeia

A euronews colocou várias questões ao Representante Permanente da Federação Russa na União Europeia, Vladimir Chizhov.

Euronews: Foi dado mais um passo em direção à criação do chamado exército europeu. Como é que a liderança russa avalia esta aliança de defesa na União Europeia?

Chizhov: Penso que se trata do reflexo de uma tendência geral - as aspirações dos países da UE por mais independência. A anterior esperança cega de que o irmão norte-americano iria proteger contra todos os desastres possíveis - esta crença já não existe. Quanto a nós, nunca considerámos e não consideramos a União Europeia como nosso adversário.

Euronews: Mas Macron disse que a China, a Rússia e os Estados Unidos são países dos quais a União Europeia poderá ter que se defender...

Chizhov: Hoje, a Rússia não é uma ameaça para ninguém no mundo. Estamos preparados para interagir com a União Europeia nas estruturas militares. Infelizmente, depois de 2014, ao abrigo de um pretexto absurdo, a União Europeia interrompeu os trabalhos neste sentido.

Euronews: A União Europeia dá conta de tensões crescentes no mar de Azov na Crimeia e diz que as atividades da Rússia estão a afetar os navios com bandeira europeia.

Chizhov: Não há militarização do Mar de Azov pela Rússia, não haverá e não pode haver. Sim, a presença da guarda costeira foi reforçada após a construção da Ponte Kerch, o que é algo natural.