Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Milhares exigem na rua o fim da violência contra as mulheres

Milhares exigem na rua o fim da violência contra as mulheres
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de 150 mil pessoas começaram a celebrar este sábado em Roma o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, uma data instituída pelas Nações unidas e que se assinala este domingo.

A manifestação na capital italiana foi promovida pela organização "Non Una di Meno" ("Nem Uma a Menos") e teve como mote a luta contra a violência de género.

Um dos manifestantes diz-nos que "apenas pela mudança de mentalidade será possível evitar a violência de género". "É um problema cultural. Enquanto se olhar para as mulheres como pessoas diferentes e com menos direitos que os homens não será possível parar com os feminicídios e a violência", considerou este manifestante em Itália.

Em França, mais de 50 mil pessoas (os promotores falam em 80 mil) associaram-se também à marcha pelo fim da violência contra as mulheres. Só em Paris, concentraram-se 30 mil sob o lema #NousToutes ("todas nós").

Um dos manifestantes que se juntou à marcha na capital francesa afirma ser "importante que também os homens se mobilizem para mostrar às mulheres que já chega delas sofreram e que estão com elas".

"A igualdade vai chegar e homens e mulheres vão bater-se por isso juntos, de mão na mão", prometeu este manifestante em França.

O governo francês associou-se à manifestação. Emmanuel Macron afirmou pelas redes sociais que "a luta contra à violência cometida sobre as mulheres avança a cada dia". "Cada um de nós deve de agir e lutar porque este é um problema de todos", escreveu o presidente francês.

A secretária de Estado para a Igualdade entre Mulheres e Homens defendeu que "a grande manifestação #NousToutes contra os atos de violência sexistas e sexuais deve ser vista e ouvida."

"Saúdo-a e respeito o caráter citadino da manifestação. Como muitos outros, continuo mobilizada sem baixar os braços: devemos fazer todos os dias mais e cada vez melhor, todos juntos", escreveu Marlene Schiappa.