Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Empregados da Google protestam contra assédio sexual

Empregados da Google protestam contra assédio sexual
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

De Singapura a Nova Iorque, passando por Londres e pela sede mundial na Califórnia, milhares de empregados da Google interromperam o trabalho para exigir o fim do encobrimento dos casos de assédio sexual na empresa.

Os organizadores apelaram aos cerca de 90.000 trabalhadores da Google no mundo inteiro para saírem à rua em protesto às 11 horas desta quinta-feira, nos respetivos fusos horários.

Em frente à sede californiana, um empregado da Google, J. J. Wanda, explica que viu "amigos prejudicados e com as carreiras destruídas, não apenas na Google, mas noutros sítios. Por isso, é preciso mostrar que chegou o momento [de pôr fim a isto] e esta é a melhor forma de o fazer".

A ação internacional coordenada, apelidada de "Google Walkout for Real Change", surgiu na sequência de um artigo do The New York Times, que revelou na semana passada que o cofundador do sistema operativo Android, Andy Rubin, que foi acusado de assédio sexual, deixou a Google em 2014 com uma indemnização de 78 milhões de euros.