Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Os desafios da COP24

Os desafios da COP24
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de Paris a corrida continua a ser contra o tempo no caminho para controlar as alterações climáticas. Um relatório das Nações Unidas, relativo a 2017, dava conta, esta semana, de que as emissões de dióxido de carbono aumentaram, pela primeira vez, em quatro anos. Isto significa que a temperatura global pode vir a aumentar mais do que o esperado se nada for feito. 2018 foi já o quarto ano mais quente de que há registo:

"2018 está a ser um dos anos mais quente de que há registo. Em todos os últimos quatro anos foram batidos recordes, vivemos os quatro dos anos mais quentes desde 1850... Por isso, a mensagem principal da comunidade científica é que é urgente implementar o acordo de Paris", explica Petteri Taalas, Secretário-geral da Organização Mundial de Meteorologia.

A Europa não fica bem na fotografia, mas a carapuça não ser apenas aos países membros da UE, como adianta Stéphane Dujarric, porta-voz do Secretário-geral da ONU:

"O relatório adverte que o ritmo atual, da ação ao nível internacional, é insuficiente para atingir as metas de Paris e concluiu que as nações devem triplicar seus esforços".

Mais um desafio que estará em cima da mesa da COP 24 que arranca segunda-feira na Polónia. Líderes mundiais reúnem-se em Katowice para tentar chegar a acordo em relação a um dos maiores problemas da Humanidade:

"Quem olha de fora pode pensar que é uma tarefa impossível, conseguir o acordo entre 196 países, e eu aceito a tarefa com humildade", refere Michal Kurtyka, Presidente da COP24 e vice-ministro do Ambiente polaco.

A cimeira sobre alterações climáticas decorre no local onde foi encerrada uma mina polaca, em 1999, após 176 anos de produção de carvão.