EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

COP24 alerta para a ameaça urgente do aquecimento global

COP24 alerta para a ameaça urgente do aquecimento global
Direitos de autor REUTERS/Kacper Pempel
Direitos de autor REUTERS/Kacper Pempel
De  Ricardo Borges de Carvalho com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Encontros plenários da Cimeira do Clima da ONU já começaram, mas a abertura oficial só acontece esta segunda-feira. Evento prolonga-se até 14 de dezembro

PUBLICIDADE

São precisas "ações decisivas" para enfrentar a "ameaça urgente" do aquecimento global.

Esta foi a mensagem que abriu os encontros plenários da cimeira do clima COP24, na Polónia.

A cerimónia de abertura oficial está marcada para esta segunda-feira e presentes vão estar delegações de cerca de 200 países.

O objetivo desta cimeira da ONU é enviar uma mensagem inequívoca aos países para reduzirem as emissões de dióxido de carbono e acelerarem a transformação energética de forma a deixarem de usar combustíveis fósseis.

Dezenas de ambientalistas juntaram-se a poucos quilómetros da conferência, numa antiga mina de carvão, para pedirem aos líderes mundiais que não comprometam o futuro de todos.

A diretora da AKCJA Demokracja, Weronika Paszewska, mostra-se otimista em relação à inversão do aquecimento global.

"Acredito que ainda não é tarde demais, mas em breve pode ser. É muito importante saber o que vai ser feito nos próximos meses e anos. Se for não tarde demais, precisamos agir. Ainda há algum tempo, não muito, mas ainda temos algum tempo".

Sob o olhar atento dos ambientalistas, a Conferência do clima da ONU, vai decorrer em Katowice, até 14 de dezembro.

Portugal vai estar representado por ambientalistas, especialistas em alterações climáticas e pelo ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parlamento Europeu quer neutralidade carbónica até 2050

2018 foi quarto ano mais quente de sempre

Casal polaco recebe prémio da ONU por ajudar refugiados