"Coletes amarelos" em toda a França

"Coletes amarelos" em toda a França
De  Luis Guita
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O movimento tem mostrado que a França não foi poupada por um fenómeno que ocorreu em outros países onde as classes baixa e média se sentem cada vez mais excluídas da globalização e das suas vantagens sociais e económicas.

PUBLICIDADE

Toda a França é testemunha dos protestos dos "coletes amarelos". A cidade de Lille, no nordeste, é um ponto-chave para o trânsito internacional. Os "coletes amarelos" ocuparam uma rotunda na periferia da cidade.

"Os "coletes amarelos" representam o povo e estou convencido que vai ser um partido. É preciso ouvir as pessoas. Estamos cansados dos colarinhos brancos e de todos esses tecnocratas que não podem saber o que sentimos. O povo que se levanta cedo, que trabalha no duro, que está em situação de dificuldade e não recebe qualquer ajuda, fica abandonado. Agora, o que nos falta são representantes para a nossa situação," afirma um dos "coletes amarelos" de Lille.

A jornalista da Euronews passou a noite no acampamento dos " coletes amarelos", diz que o protesto expõe reivindicações que já foram manifestadas em outros países.

"Este movimento tem mostrado que a França não foi poupada por um fenómeno que ocorreu em outros países, incluindo Itália e até mesmo os Estados Unidos, onde as classes baixa e média se sentem cada vez mais excluídas da globalização e das suas vantagens sociais e económicas. São pessoas da periferia do mundo. Dizem que querem ser vistas e ouvidas," revela jornalista da Euronews, Annelise Borges.

O descontentamento manifestado pelos "coletes amarelos" serviu de inspiração à classe estudantil. As associações de estudantes reativaram a luta contra as reformas do governo no sistema de ensino.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia encontra mais de 60 quilos de canábis em casa de autarca francesa

Polícia francesa expulsa dezenas de migrantes de Paris a quase 100 dias dos Jogos Olímpicos

Encontrados restos mortais do pequeno Émile