Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Coletes amarelos mantêm pressão sobre o governo

Coletes amarelos mantêm pressão sobre o governo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A violência no centro de Paris e não só representou um choque para o governo de Emmanuel Macron.

"Sr. Primeiro-ministro, é muito pouco, muito tarde"

Damien Abad Les Republicains, França

Após os confrontos do fim-de-semana passado, o primeiro-ministro Edouard Philippe anunciou a suspensão dos controversos impostos sobre o combustível.

"Se a maioria nos convenceu a mudar, então é isso que devemos fazer. É preciso ser surdo ou cego para não ver e escutar a fúria que predomina nas ruas. Mas os impostos não devem colocar em perigo a unidade da nação", anunciou Edouard Philippe na Assembleia Nacional.

O primeiro-ministro discursou na Assembleia Nacional explicando que os impostos na origem das manifestações seriam suspensos por um período de seis meses para abrir espaço ao diálogo.

A reação dos deputados não se fez esperar.

"Se a sua única resposta Sr. Primeiro-Ministro, é a suspensão dos impostos de Macron sobre os combustíveis, então é porque não se apercebeu da gravidade da situação. Este anúncio condena os franceses a alguns meses de adiamento. O que eles lhe estão a pedir não é a suspensão mas o cancelamento das taxas. Sr Primeiro-ministro, ee muito pouco, muito tarde", adiantou Damien Abad, deputado para o partido de direita, Les Republicains.

Por enquanto, a reação dos manifestantes é continuar com as manifestações. O que começou como um protesto contra a subida dos impostos tornou-se agora um movimento anti-Macron que muitos acusam de favorecer os ricos.

"O meu pai era mineiro e trabalhou muito na sua vida. Ele participou no maio de 68 e não tenho vergonha. Graças ao maio de 68 conseguimos mais 30% em poder de compra. O Sr. Macron precisa de escutar as pessoas, porque não está a escutar as pessoas e também porque existe miséria em França", afirma uma das ativistas.

O movimento dos "coletes amarelos" poderá agora tornar-se em algo muito maior.

Estudantes franceses descontentes com reformas na educação já anunciaram apoio aos coletes amarelos. E dois sindicatos dos transportes anunciaram greves para o fim de semana.