A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Protestos contra política laboral de Orbán

Protestos contra política laboral de Orbán
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de húngaros protestaram no centro de Budapeste contra a reforma laboral. Demonstram o descontentamento relativamente à política batizada como "lei da escravidão" - que aumenta o número de horas extra por ano de 250 para 400 e tem sido impulsionada pelo governo conservador de Viktor Orbán.

Trata-se da mais recente manifestação de uma série de protestos que começaram na semana passada. A nova lei implica que alguns funcionários tenham de trabalhar seis dias por semana e, para além disso, concede ao empregador a possibilidade de adiar o pagamento de salários até 36 meses.

De acordo com os críticos da lei, os trabalhadores que se recusarem a trabalhar as horas extras necessárias podem ficar numa posição delicada e correr o risco de demissão, apesar da lei determinar que este trabalho extra é voluntário.

Orbán, que até hoje não se tinha pronunciado sobre o assunto, defendeu a legislação garantindo que "ninguém pode ser obrigado a trabalhar horas extra e quem disser algo diferente está a mentir".