Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Braço-de-ferro entre Roma e Bruxelas marca 2018

Braço-de-ferro entre Roma e Bruxelas marca 2018
Tamanho do texto Aa Aa

A indústria italiana do calçado é bastante conhecida em todo o mundo, mas quem imaginaria que um sapato se tornaria no símbolo das tensões entre Roma e Bruxelas?

Em outubro, eurodeputado italiano, Angelo Ciocca, carimbou o seu sapato "Made in Italy" no discurso do Comissário Pierre Moscovici, que criticava o projeto do orçamento de Itália. Este eurodeputado disse que "a Itália merece respeito e estes euro-burros devem entender isso".

Como chegamos aqui? Aqui está um pequeno lembrete de como Roma versus Bruxelas ocorreu em 2018.

Tudo começou em junho, quando o novo Governo populista chegou ao poder. Os dois partidos da coligação, o movimento antissistema "5 estrelas" e o partido Liga, de extrema-direita, acusaram a União Europeia de ter martelado a Itália com a austeridade e durante a campanha eleitoral prometeram menos impostos, um rendimento mínimo e um esquema de reformas antecipadas.

Mas quando tiveram de enviar o rascunho do orçamento para 2019, as promessas do Governo colidiram com a realidade. A Comissão Europeia queria que a Itália respeitasse as regras fiscais, reduzisse a dívida pública e fixou o défice orçamental em 1,8% do Produto Interno Bruto (PIB). A Itália, pelo contrário, apresentou um plano do orçamento que aumentou o défice para 2,4% do PIB.

Roma acreditava que a sua política económica expansiva impulsionaria o crescimento económico, enquanto a Comissão afirmava que só aumentaria a dívida pública.

Sim, porque este projeto de orçamento aloca 37 mil milhões de euros, dos quais 22 mil milhões seriam financiados com empréstimos dos mercados financeiros.

Depois da Grécia, a Itália tem a maior dívida da Europa e é a terceira maior economia da zona do euro. Os economistas concordaram que o risco da sua dívida se tornar insustentável é uma ameaça para toda a Zona Euro, sendo a França mais exposta a danos colaterais.

"Os bancos franceses têm muita dívida italiana. A economia francesa depende muito da economia italiana, então, se alguma coisa acontecer na economia italiana, seja nos mercados ou na dívida, isso pode realmente prejudicar a França", afirma a economista Maria Demertzis.

Quando confrontado com as advertências de Bruxelas, o vice-primeiro-ministro italiano, Matteo Salvini, disparou muitas vezes contra os chamados burocratas da União Europeia.

“Os inimigos da Europa são aqueles que estão fechados no 'bunker' de Bruxelas. Juncker e Moscovici trouxeram o medo e a precariedade no emprego para a Europa”, disse Salvini.

Como a Itália permaneceu firme na sua posição, em novembro, a Comissão Europeia disse que o plano estava num incumprimento particularmente grave das regras fiscais da União Europeia e justificava a abertura do "procedimento por défice excessivo".

Recorde as preocupações do Comissário para os assuntos económicos, Pierre Moscovici: "Quem pagará a conta dessa despesa extra? Continuamos a acreditar que este orçamento traz riscos para a economia de Itália, para as suas empresas, para os seus aforradores e para os seus contribuintes”.

Com essas declarações, pretendia pressionar a Itália. Se levado ao limite, esse processo poderia levar à imposição de multas a Itália, uma punição sem precedentes nos 20 anos de vida do euro. Mas quando solicitado a responder à carta da Comissão, o vice-primeiro-ministro italiano, Matteo Salvini, corajosamente disse: “Eu também estava à espera da carta do Pai Natal. Vamos discutir educadamente como sempre fizemos. Nós vamos continuar”.

Enquanto isso, o projeto do orçamento de grandes gastos levou à subida das taxas de juros e outros líderes europeus alertaram Itália para mudar de ideias.Confrontada com a gravidade da situação, Roma atenuou a sua retórica com Bruxelas, propondo reduzir o défice para 2,04%.

Mas não foi suficiente. Depois de dias de negociações exaustivas, chegou-se a um acordo a 19 de dezembro: a Itália reconheceu que o seu plano não conseguia impulsionar a economia tanto quanto previsto e deu à Comissão garantias adicionais sobre seu défice estrutural.

O acordo chegou a tempo do Natal, mas este ano o panettone tem um sabor amargo. Por enquanto, o país evitou enfrentar as dolorosas consequências de uma medida disciplinar, mas permanecerá sob o monitoramento da Comissão Europeia.

Se Roma não respeitar os compromissos, o pesadelo de um processo de infração pode retornar.