A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Paralisação nos EUA já é a maior de sempre

Paralisação nos EUA já é a maior de sempre
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

É mais um marco na presidência de Donald Trump: já dura há 22 dias a paralisação da administração federal, um número sem precedentes na história dos Estados Unidos.

É mais fácil negociar com a China do que com a oposição americana.

Donald Trump Presidente dos EUA

O país encontra-se bloqueado perante o braço de ferro entre o presidente americano e os Democratas, que travam o financiamento do tão controverso muro na fronteira com o México.

Nancy Pelosi, a presidente democrata da Câmara dos Representantes, recusa categoricamente abrir caminho para os 5,7 mil milhões de dólares que Trump exige para erguer a barreira anti-imigração.

As consequências do shutdown começam a agravar-se em catadupa. Desde esta sexta-feira que já estão em falta os salários de cerca de 800 mil funcionários públicos.

O aeroporto de Miami anunciou o encerramento de um terminal, depois de ver duplicada a quantidade de baixas médicas apresentadas por trabalhadores. Em alguns pontos do país, bancos alimentares acionaram dispositivos de ajuda urgente.

O presidente americano, que cancelou a presença no Fórum Económico de Davos, afirma que não vai declarar para já o estado de emergência e que "é mais fácil negociar com a China do que com a oposição americana".