Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Resultados das legislativas congolesas: uma coabitação instável

Resultados das legislativas congolesas: uma coabitação instável
Tamanho do texto Aa Aa

Dois dias depois de ter proclamado a vitória de um candidato da oposição às eleições presidenciais da República Democrática do Congo, a Comissão Eleitoral Nacional do país africano deu a conhecer os resultados das legislativas, que deram a maioria ao partido do atual presidente, Joseph Kabila.

Do escrutínio deverá assim resultar uma coabitação entre um presidente eleito por um partido da oposição e um parlamento.

Martin Fayulu, outro dos candidatos da oposição, por seu lado, apresentou uma queixa formal perante o Tribunal Constitucional contra a Comissão Eleitoral Nacional (CENI) este sábado

Fayulu insiste em que venceu as eleições de 30 de dezembro por ampla maioria, tendo conseguido mais de 60% dos votos. Acusa campo de Félix Tshisekedi, dado como vencedor, de ter forjado a vitória com a ajuda de Jospeh Kabila. Diz ainda que a CENI de "violou a lei eleitoral" da República Democrática do Congo.

Resultados contestados

A CENI disse, na passada quinta-feira, que Félix Tshisekedi venceu as presidenciais de 30 de dezembro. Com o resultado das legislativas, tudo indica que o presidente eleito tem de assumir soluções de compromisso com a coligação do presidente Jospeh Kabila na Assembleia Nacional.

Do lado de Fayulu fala-se num acordo secreto entre o seu partido com a coligação de Kabila, para que o atual presidente possa continuar a exercer influência nos destinos da RDC, mantendo a coligação alguns ministros em pontos-chave de um novo Governo.

As eleições presidenciais e legislativas do final do ano passado foram encaradas como um primeiro passo para uma tentativa de normalização democrática na RDC, desde a independência do país da Bélgica, há 59 anos.

No entanto, o atual presidente, Jospeh Kabnila, manifestou a sua intenção de permanecer próximo da arena política durante os próximos tempos, referindo ainda que poderia apresentar uma nova candidatura à presidência nas eleições de 2023.

Instabilidade à vista

Teme-se que as tensões possam ameaçar, mais uma vez, a estabilidade política e social, num país duramente afetado por uma guerra civil, nos anos 90, que deixou milhões de mortos.

A agência Reuters refere vários protestos da parte de apoiantes de Tshisekedi na zona leste do país nos últimos dias, onde o apoio pelo candidato é mais expressivo. A AFP refere que morreram pelo menos cinco manifestantes.

A União Europeia já pediu, numa declaração enviada à CENI, que fossem publicados dados mais exatos relativamente aos resultados a nível regional, de acordo com o que prevê a lei eleitoral da RDC.

Bruxelas entende que se trata de uma etapa importante para a credibilização do processo perante a oposição, os observadores no terreno e toda a Comunidade Internacional.

Por outro lado, a UE pediu ainda a todos os atores políticos que não recorressem à violência e que toda contestação de resultados fosse feita de forma pacífica e de acordo com os procedimentos previstos na lei.