Serviços secretos alemães "vigiam" extrema-direita

Serviços secretos alemães "vigiam" extrema-direita
Direitos de autor
REUTERS/Matthias Rietschel
Tamanho do texto Aa Aa

O partido da extrema-direita alemã AfD pode ser colocado "sob vigilância" por parte dos serviços secretos do país, que investigarão a formação para apurar se os discursos de alguns dos seus membros e as suas políticas anti-imigração infringem as disposições constitucionais contra o extremismo.

Um dos líderes da Alternativa para a Alemanha (AfD, na sigla em alemão), Alexander Gauland, afirmou que "os argumentos são totalmente inaceitáveis" e defendeu que foi "um certo clima social e pressão política que levaram a isto".

O Gabinete federal para a proteção da Constituição ainda não colocou oficialmente "sob vigilância" o partido, mas os serviços secretos não estudar eventuais ligações entre membros da formação, com assento parlamentar desde 2017, e a extrema-direita radical e meios neonazis.