Última hora

Última hora

Central nuclear espera verbas comunitárias para desmantelamento

Central nuclear espera verbas comunitárias para desmantelamento
Tamanho do texto Aa Aa

Ignalina já não produz há quase 10 anos. A central nuclear lituana, construída à semelhança de Chernobyl, espera 780 milhões de euros da União Europeia para ser desmontada.

Dependente das verbas do orçamento plurianual comunitário, tem visto o apoio finaceiro adiado. Enquanto a Europa se preocupa com o Brexit e as contas do abandono do Reino Unido, a Lituânia diz que já não há tempo para mais negociações.

O ministro da Economia, Zygimantas Vaiciunas denuncia a falta de certezas para o projeto avançar. "Os valores têm de estar definidos para podermos iniciar a desativação dos reatores. É por isso que este é um momento crítico e é extremamente importante ter as garantias necessárias e clareza", afirma.

O processo de desmantelamento da central nuclear começou em 2004, com o encerramento da primeira unidade. A segunda foi em 2009. O fecho total do complexo é um projeto a três décadas, agendado para 2038. Nos próximos 10 anos, segue-se a parte mais crítica: a abertura dos reatores.

"Quando começamos a desmontar os reatores, a chegar aos lugares mais perigosos ou a abrir as partes perigosas do reator, temos de ir até o fim, até que esteja terminado. Este é o aspeto mais importante do pedido de apoio financeiro que estamos a submeter à Comissão Europeia", revela o diretor-geral da central, Audius Kamienas.

Da central de Ignalina fazem parte dois reatores nucleares RBMK, os maiores do mundo deste tipo. O custo total do desmantelamento é de três mil e 300 milhões de euros. A Lituânia disponibiliza-se a cobrir 14% das despesas.

De acordo com Zygimantas Vaiciunas, "este não é um projeto lituano. Estamos a ser esquecidos, porque se trata de um legado da União Soviética. No entanto, esta era a condição prévia da nossa adesão à União Europeia. Nessa altura, em 2003, foi decidido que a União Europeia deveria financiar adequadamente o desmantelamento desta central nuclear".

A Comissão Europeia diz ter disponíveis menos 230 milhões do que os recomendados pelo Parlamento Europeu. Mas, apesar de a resolução dos deputados comunitários não ser vinculativa, A Lituânia parte para a mesa das negocições com mais argumentos.