A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Retiradas sanções a empresas ligadas a Deripaska

Retiradas sanções a empresas ligadas a Deripaska
Direitos de autor
REUTERS/Sergei Karpukhin/File Photo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A administração Trump decidiu retirar as sanções aplicadas a três empresas ligadas ao oligarca russo Oleg Deripaska. Uma delas é a gigante do alumínio Rusal.

Deripaska, que tinha ligações ao ex-diretor da campanha do presidente dos EUA, Paul Manafort é alvo de sanções desde abril, pelas suas ligações ao Kremlin. As empresas em causa tinham sofrido penalizações pelo facto deste ter controlo sobre elas.

Washington justifica a decisão dizendo que os conselhos de administração das três empresas são "independentes" isto apesar de Democratas e alguns Republicanos a contestarem.

A Câmara dos Representantes, controlada pelos democratas, votou contra o possível fim das sanções contra empresas russas, 362 votos a favor e 53 contra, muitos Republicanos seguiram os seus opositores nesta matéria. Ainda assim, no Senado, a pretensão ficou a três votos de atingir os 60 necessários para que fosse aprovada.

Muitos legisladores dos EUA votaram também pela manutenção das sanções, por considerarem que houve mudanças mas que Deripaska ainda tem controlo sobre elas. A juntar a este motivo há o facto de estar em curso a investigação do procurador especial Robert Mueller à alegada interferência russa nas presidenciais dos EUA de 2016.

As sanções foram aplicadas contra a Rússia pela anexação da Crimeia, pelas sua intervenção na Síria e pela suposta interferência no escrutínio em que se elegeu Donald Trump.