A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Discurso do 'Estado da Nação' de Trump gera expectativa nos EUA

Discurso do 'Estado da Nação' de Trump gera expectativa nos EUA
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Donald Trump vai estar esta noite no Congresso dos Estados Unidos para o muito aguardado discurso do Estado da Nação.

Depois da mais longa paralisação parcial da história do governo federal, os analistas acreditam que o presidente norte-americano vai dramatizar a necessidade de construção do muro na fronteira com o México.

Ao contrário de 2018, os democratas têm este ano a liderança da Câmara dos Representantes e Nancy Pelosi, a 'speaker', já mostrou capacidade para travar braços de ferro com o presidente.

Um momento que costuma ser tradicionalmente aproveitado para apelos à união pode, afinal, agudizar a tensão entre democratas e republicanos.

"Não o vejo a estender um ramo de oliveira. Não vejo que os democratas vão suportar tão tranquilamente. E não imagino os republicanos a não aplaudir o discurso", afirma Lara Brown, professora na Universidade George Washington.

No discurso de 2018, Trump preferiu falar nos êxitos desde que assumiu a presidência em vez dos projetos para o futuro. Um ano depois, os analistas prevêem a adoção da mesma fórmula.

"Ele vai falar sobre o quanto a economia se fortaleceu desde que entrou, vai falar sobre os relatórios de emprego mais recentes. E vai abordar, embora isso seja polémico e não muito rigoroso, o grau em que o Estado Islâmico foi derrotado", frisou o académico e investigador David Barker.

De fora do discurso deve ficar a investigação do procurador Rober Mueller às alegadas ligações da sua campanha com a Rússia na interferência nas eleições de 2016.

Já o contacto histórico com a Coreia do Norte e Kim Jong-Un deve ser apontado como um dos triunfos da administração na política internacional.