A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Trump promete Síria e Iraque 100 por cento livres do Estado Islâmico

Trump promete Síria e Iraque 100 por cento livres do Estado Islâmico
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, prometeu anunciar muito em breve a libertação completa de territórios na Síria e no Iraque sob controlo do Estado Islâmico.

A garantiu surgiu num discurso para os membros da coligação global contra o Daesh, em Washington, com o líder norte-americano a fazer depender esse anúncio apenas da confirmação dos exércitos no terreno.

"Os nossos militares, os dos nossos parceiros de coaligação e as Forças Democráticas da Síria libertaram praticamente todo o território anteriormente ocupado pelo Estado Islâmico na Síria e no Iraque. Deve ser formalmente anunciado a qualquer momento, provavelmente na próxima semana que teremos 100% do califado", declarou.

Trump não teve problemas em realçar o que diz ser a derrota sobre o Daesh, mas foi bastante parco em palavras sobre a retirada das tropas norte-americanas da Síria.

O líder da Casa Branca anunciou a saída dos militares em dezembro, mas foi contestado dentro da própria administração, com o Secretário da Defesa, James Mattis, a abdicar do cargo, bem como o anterior enviado do país para a coligação.

As explicações sobre a retirada acabaram por ficar para o secretário de Estado, Mike Pompeo.

"Nesta nova era, a aplicação da lei pelas forças locais e a partilha de informações vão ser cruciais e a nossa luta nem sempre será necessariamente liderada por militares. É por isso que o anúncio do presidente Trump de que as tropas dos Estados Unidos se vão retirar da Síria não é o fim da luta. A luta é aquela que continuaremos a travar ao vosso lado."

Apesar das garantias, nem todos os parceiros de coligação pareceram convencidos. Com efeito, o califado continua a deter alguns territórios no Afeganistão, na Líbia e no Oeste de África.

A coligação contra o Estado Islâmico foi formada em 2014 e agrega 79 países.